Cobertura de danos corporais a terceiros: o que cobre o seguro?

Saiba como funciona a cobertura de danos corporais no seguro de automóvel, o que ela cobre e exemplos de como já foi usada pelos segurados 

cobertura de danos corporais a terceiros - o que cobre o seguroNa hora de contratar o seguro de automóvel a maioria das pessoas não dá a devida atenção a cobertura de danos corporais a terceiros, principalmente por falta de conhecimento sobre o que ela cobre e como ela funciona. Pensando nisso escrevemos este artigo para responder as principais dúvidas sobre o assunto, com linguagem acessível e usando alguns exemplos de histórias reais.

Leia também:
“Indenização do seguro de terceiros entra em inventário em caso de morte?”
“Danos a terceiros: proteção para além de seu automóvel” 

Existem dois tipos de coberturas de danos a terceiros: danos materiais e danos corporais. Neste artigo trataremos deste último, mas é importante ressaltar que a cobertura de danos materiais também é muito importante.

 Danos corporais a terceiros: o que cobre?

A cobertura de danos corporais a terceiros cobre, exclusivamente, lesões físicas causadas a pessoas em razão de acidente de trânsito envolvendo o veículo segurado. Em palavras mais simples: Se você está dirigindo o carro do seu seguro e por acidente atropela alguém, a cobertura de danos corporais pagará, até o valor limite contratado, as despesas médicas ou encargos de processos jurídicos que essa pessoa venha a abrir contra você.

O que essa cobertura não cobre?

Como mencionamos acima, esse cobertura abrange lesões físicas a terceiros. Nesse sentido, ela não cobre danos morais, estéticos ou psicológicos.

Outro ponto importante a ser ressaltado é que, nem essa cobertura nem qualquer outra cobertura do seguro vale quando o segurado está agindo fora da lei.  Se, por exemplo, o segurado está dirigindo bêbado e vem a lesionar um terceiro, a segurado está isenta de qualquer responsabilidade (leia mais aqui). Se o segurado está disputando um racha (que é proibido por lei), o seguro também não tem responsabilidade nenhuma sobre os possíveis acidentes que ele possa gerar.

Agora, para situações dentro da lei, a cobertura vale normalmente. Numa situação acidental em que você está dentro da lei, a cobertura está valendo.

“Mas o DPVAT já faz isso!”
O seguro de automóvel como complemento do DPVAT

Há quem dirá que o seguro obrigatório, o DPVAT, já serve para cobrir esses tipos de acidentes. Em certa medida isso é verdade, mas o ponto central é: o DPVAT é suficiente? Será que o DPVAT substitui, de fato, a cobertura de danos corporais a terceiros do seguro de automóvel?

A resposta é: não. Vejamos por quê.

Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

O DPVAT cobre acidentes de trânsito e os custos consequentes desse acidente, porém, dentro de um limite muito baixo frente aos custos que geralmente se verificam na realidade. Atualmente, a indenização paga pelo DPVAT se limita aos valores da tabela abaixo.

quanto é a indenização do dpvat para acidentes de transito - morte, invelidez e despesas médicas

Veja que no caso de morte, o DPVAT paga apenas R$13.500,00 de indenização, valor muito distante daquele que normalmente é determinado num processo jurídico. Os valores da indenização em caso de invalidez permanente e de despesas médicas e hospitalares também é bastante baixo se você pensar bem.

Por conta disso, a cobertura de danos corporais a terceiros funciona como um complemente, praticamente imprescindível, do DPVAT. Quando o valor pago pelo DPVAT se mostrar insuficiente, o seguro ajudará a pagar o restante, até o limite contratado.

O seguro fica mais caro?
Como funciona o DPVAT e a cobertura de danos corporais?

Quando uma pessoa causa acidente de trânsito e tem que arcar com os custos disso, o DPVAT paga até o limite mostrado na tabela. A partir do momento que a indenização passa do limite do DPVAT, passa a valer a cobertura do seguro de automóvel.

Por isso é importante contratar uma cobertura de danos corporais razoavelmente alta. Muitas pessoas acham que isso faz subir muito o preço do seguro, mas estão muito enganadas: essa cobertura gera um acréscimo percentual muito pequeno no preço do seguro. E, pensando nos exemplos que veremos abaixo, acaba sendo um ótimo custo-benefício.

Exemplo
de situação em que se precisou usar a cobertura de danos corporais

Em nossa corretora certa vez tivemos um caso que mostra muito bem a importância dessa cobertura. Um segurado certa vez estacionou o carro na rua e, quando seu filho abriu a porta do carro para sair, acertou em cheio um motociclista. Este voou por cima da porta e, com a queda, perdeu um dedo e parte de outro.

Apesar de ter sido um acidente, o motociclista moveu uma ação contra nosso segurado, pois sem os dedos que perdeu, tornou-se invalido para a profissão que exercia. Nesse caso, a cobertura do DPVAT foi insuficiente, pois só o valor de um dos dedos ultrapassava o limite de R$ 13.500,00. O segurado tinha seguro de automóvel com cobertura de danos corporais a terceiros de R$100.000,00 o que serviu para ele arcar com as despesas médicas do motociclista e ainda ajudar a pagar a indenização.

Nossos funcionários, habituados a ouvir histórias como essa na rotina de nosso trabalho, contratam entre R$400.000,00 e 1 milhão de cobertura de danos corporais. Pense agora no seu seguro: será que sua cobertura foi feita pensando nisso, ou foi feita por mero desencargo de consciência?

“Mas isso nunca vai acontecer comigo…”
Contratar cobertura de danos corporais é ter responsabilidade social

Não tem motivo para não contratar uma cobertura de danos corporais significante, ainda mais se pensamos que a influência no preço do seguro é pífia.

Mas não é só essa a questão: essa cobertura, assim como o DPVAT, é uma forma de ter responsabilidade social no trânsito. Ninguém jamais pensa que poderá causar um acidente ou danos físicos a outras pessoas… Mas quando acontece, o mínimo a se fazer é prestar todo auxílio possível para a recuperação da pessoa e sua família. O seguro serve para isso, ajudando no auxílio financeiro permitindo que você garanta os direitos da pessoa lesionada.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP, atualmente cursa MBA em Trends Innovation na Inova Business School. É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, um projeto inovador focado no atendimento humanizado e diferenciado. Atua como Gerente de Qualidade na Skill Seguros e dirige a Comissão de T.I. do Grupo Exalt, maior grupo de corretores de Campinas e Região.
Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.

83 Responses to Cobertura de danos corporais a terceiros: o que cobre o seguro?

  1. Renata diz:

    O caminhão invadiu a contramão e bateu na lateral do veículo, no qual a passageira banco de trás sofreu fraturas na c5,c6. Ocorre que a seguradora do caminhão não informa o valor contratado na apólice e deseja pagar um valor que sequer cobre as despesas médicas. Pagará 3000,00 de despesas médicas e 9000,00 pela invalidez, mas e quanto a lesão corporal e o dano moral? Posso aceitar apenas o valor ofertado e cobrar judicialmente o corporal e moral?

    • Jessica diz:

      Renata, bom dia!

      Primeiramente recomendamos que procure descobrir qual a seguradora e corretora de seguros que atendem o seguro do caminhão.
      Com essas informações, procure contatar a seguradora ou corretora informando sobre o sinistro.
      Eles verificarão se o segurado (caminhão) possui cobertura de danos corporais a terceiros e cobertura de danos morais a terceiros. Se ele tiver, não basta ele ser considerado culpado – é necessário que ele assuma a culpa e aceite utilizar as coberturas.

      O valor a ser indenizado por danos corporais e danos morais depende de diversos fatores, o que geralmente faz com que seja necessário um processo jurídico no qual juiz determina qual o valor da indenização. Por isso o ideal é consultar um advogado e com as instruções dele abrir um processo contra o causador dos danos, de modo que a seguradora terá um parâmetro para fazer a indenização.

      Ficamos a disposição

  2. Aldemir Alves i diz:

    Sofri um acidente no qual eu o motorista e o veículo possui seguro total só que ele deu perca total e eu fraturei a clavícula passei por cirurgia provavelmente vou ficar afastado por 6 meses eu tenho direito a receber alguma indenização ou resarcimiento de objetos que sumiram lembrando que é veículo de empresa

    • Jessica diz:

      Adelmir, bom dia!

      Desculpe, mas não entendemos se você é o motorista do carro segurado, se você é passageiro no carro segurado ou se você estava fora do carro segurado e sofreu a colisão.

      Por gentileza, poderia nos informar qual dessas é a sua situação para podermos lhe instruir melhor?

      Atenciosamente,

  3. FRANKLIN diz:

    COMO SABER SE O VALOR DA INDENIZAÇÃO DE DANOS CORPORAIS À TERCEIROS, QUE A CORRETORA DE SEGUROS OFERECE ESTÁ DE ACORDO COM O VALOR DA APOLICE.

    • Jessica diz:

      Franklin, boa noite!

      Desculpe, mas não entendi sua questão.
      O valor da cobertura de danos corporais é escolhido pelo segurado no momento da contratação. O corretor de seguros tem um papel importante de instruir e passar dicas nessas horas. Particularmente recomendamos sempre um valor igual ou superior a 100.000 reais.

      O valor que constará na apólice será o valor contratado na proposta.

      Faça a cotação do seu seguro de carro conosco! :)
      Clique aqui: http://muquiranaseguros.com.br/cotacao/cotacao-de-seguro-de-automovel/

      Ficamos à disposição!

  4. João Paulo diz:

    Acabei de sofrer um acidente ,o carro bateu na minha moto,sofri uma fratura na servical.Tenho direito ao DPVAT?

  5. Tatiane diz:

    Gostaria de saber se em caso de morte, eu tenho um seguro de DC no valor de R$ 200.000,00 e como é que é feito este pagamento? Não teria que ter uma ação ou a seguradora que decide ???. Pergunto isso pq minha vizinha atropelou uma pessoa que veio a óbito e todo o processo esta sendo tratado judicialmente.

    • Jessica diz:

      Tatiane, bom dia!

      Sim, quando ocorre morte da vítima o processo jurídico é necessário, pois o motorista segurado terá que responder pelo homicídio. O juiz determinará o valor da indenização à família da vítima com base em diversos fatores, como idade da vítima, profissão, seu papel dentro da família e assim por diante. Será com base neste valor que a cobertura de danos corporais a terceiros do seguro de automóvel será paga, até o limite máximo contratado.

      É por situações como essa que sempre recomendamos a quem possui veículos que tenha pelo menos um seguro de terceiros, pois além de ter preços acessíveis, protege o cidadão de situações assim e ainda é forma de responsabilidade social, pois ajuda a família que sofreu a perda. Se desejar, você pode pedir uma cotação do seguro de terceiros clicando aqui.

      Ficamos a disposição!

  6. carlos Alberto Tourino diz:

    gostaria de saber se o seguro cobre os salários que uma vitima tinha proveniente de serviços autônomos informais? atropelei um sr. e ele vai ficar uns 6 meses de molho e tem aluguel e demis despesas.

    • Jessica diz:

      Carlos, bom dia!

      O seguro pode indenizar a perda de renda de terceiros em razão de acidente com o carro segurado, porém é necessário que haja comprovantes de renda (notas fiscais, declaração de imposto de renda etc.) para análise da seguradora. Infelizmente nos casos de trabalhos informais não há esses comprovantes, de modo que a seguradora não tem meios de checar a renda do terceiro.

      Recomendamos que aconselhe a vítima e/ou sua família a solicitarem indenização ao seguro obrigatório (DPVAT). O DPVAT cobrirá as despesas médicos hospitalares que a vítima tiver e, dependendo da situação, também é possível checar a possibilidade de indenização por invalidez temporária.

      Ficamos a disposição!

  7. Jacqueline diz:

    Boa Noite,

    Tive um acidente de carro há aproximadamente 1 ano atrás, onde eu era passageira deste carro e tive lesão na coluna cervical e lombar e estou afastada pelo INSS desde então e sem previsão de alta, também recebi o DPVAT por (reembolso de despesas).
    Quero saber se ainda consigo entrar com pedido de danos corporais pela seguradora do motorista?, lembrando que hoje a apólice do seguro dele não é mais a mesma, já foi renovado o seguro. E na época do acidente, foi pedido para seguradora somente a cobertura dos danos dos veículos envolvidos.

    Obrigada!!

    • Jessica diz:

      Jacqueline, bom dia!

      Primeiramente, gostaríamos de dizer que desejamos que a senhora se recupere bem!

      A senhora pode sim solicitar indenização por danos corporais à seguradora do causador, pois mesmo que o seguro tenha vencido, o sinistro ocorreu durante a vigência havendo cobertura para o mesmo.
      Recomendamos que contate seu corretor de seguros para ajudá-la nessa intermediação, ou então a senhora também pode contatar diretamente a seguradora. Serão solicitados alguns documentos para análise, como laudo médico, a partir dos quais a seguradora fará o enquadramento dentro de uma tabela de invalidez que estipula um percentual da cobertura total de danos corporais conforme o membro/órgão/osso afetado.

      Ficamos a disposição!

      • Jacqueline diz:

        Jessica,

        Esqueci de detalhar que eu estava como passageira do carro que ocasionou o acidente, sendo assim o seguro cobre também?

        Obrigada.

        • Jessica diz:

          Jacqueline, bom dia!

          A cobertura de danos corporais e materiais a terceiros vale apenas para pessoas que estão fora do carro segurado e são lesadas pelo mesmo.
          Quando a vítima é passageira do veículo segurado é necessário acionar a cobertura APP (Acidentes Pessoais a Passageiros). Nós explicamos os detalhes desta cobertura nestes outros posts: “Diferença entre cobertura de terceiros e APP no seguro auto” e “Seguro Passageiros (APP): passo a passo de como funciona”.

          É necessário verificar se o veículo segurado no qual a senhora estava possuía esta cobertura (pois ela é opcional) e, se sim, qual o tipo de cobertura e limite contratado. São três tipos: APP-morte, APP-invalidez permanente e APP-DMH (despesas médico hospitalares). No seu caso, seria necessário checar a possibilidade da receber indenização pelo APP-invalidez e APP-DMH.

          Infelizmente é comum os segurados optarem por valores baixos de APP por acharem que não será necessário e que é praticamente impossível acontecer algo com seus passageiros. São poucas as pessoas que conhecem a importância dessa cobertura e sequer sabem que ela também cobre o próprio motorista.
          Torço para que o APP do veículo segurado em questão seja alto suficiente para ajudá-la!

          Atenciosamente,

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: procure ser breve, pois são muitas dúvidas todos os dias! Todas dúvidas são respondidas. :)

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *