Franquia do seguro de automóvel: o que é e quando não tenho que pagar?

Saiba o que é a franquia dos seguros e em que tipos de sinistro você não precisa pagá-la

 No dia a dia da corretora percebemos que uma das maiores dúvidas dos clientes sobre o seguro está na questão da franquia. Qual parte do custo é da seguradora e qual parte é do segurado? Como é definido esse valor? Para não levar sustos na hora de acionar o seguro, é fundamental saber o que é a franquia, como ela funciona e os casos em que não é necessário seu pagamento.

Leia também: “Franquia de seguro de carro pode ser parcelada?”

Ao contratar o seguro, principalmente o seguro de automóvel, muitas pessoas não dão a devida atenção à franquia. Pensando somente no preço do seguro, contratam franquias muito altas e, quando o azar bate a porta com uma colisão, sofrem para arcar com sua parte dos custos. Por essas e outras, muquirana que preze por seu bolso (rs!) não olha só o preço do seguro, mas também a franquia.


O que é franquia do seguro de automóvel?

A franquia é a participação obrigatória do segurado nos custos de perda parcial do veículo. Ou seja, se o veículo sofrer danos mas não chegar a dar perda total (quando a recuperação atinge 75% ou mais do valor segurado), então o segurado pagará a franquia, e a seguradora o restante.

Como funciona a franquia no seguro de carro?

Perda total: não paga franquia. 

Por exemplo: Suponha que no seguro de seu automóvel o valor segurado é de 100% da Tabela Fipe (para saber como funciona a tabela fipe, veja aqui). Num cruzamento sem querer você bateu o veículo. Se na época seu carro valia R$30.000,00 pela Tabela FIPE, então os custos de reparo teriam que chegar à 75% de 30.000 (ou seja, R$22.500,00) para caracterizar perda total. Nesse exemplo, se a recuperação ficar igual ou acima de R$22.500,00 o segurado não pagará franquia, pois houve perda total.

Perda parcial: paga franquia

Suponha que o conserto de seu carro ficou abaixo de 75% do valor segurado, por exemplo R$6.000,00. Veja que 6.000 equivale apenas 20% de 30.000. Por isso, neste caso a perda é parcial, e não total. Neste caso, o segurado pagará franquia. Se a franquia do seu seguro for de R$1.500,00 então você pagará R$1.500 e o seguro pagará a diferença: 6.000 – 1.5000 = R$4.500,00.

Não há pagamento de franquia quando…

Além da situação de perda total do veículo, não há pagamento de franquia nas seguintes situações:

  • Incêndio, Raio e Explosão acidental (saiba mais aqui)
  • Quando você entra como terceiro na cobertura de danos materiais e morais a terceiros do seguro do responsável pelo acidente (saiba mais aqui)
  • Quando o veículo é roubado e não é encontrado. No caso de ser encontrado, haverá pagamento de franquia para reparar danos que o automóvel possa ter sofrido nas mãos dos ladrões.
Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

Importante ressaltar que apesar de nesses casos não haver pagamento de franquia, o acionamento do seguro levará à perda de bônus como em qualquer outra situação de sinistro.

Mal negócio…
O que não fazer com sua franquia

Quando você usa seu seguro para perda parcial, você tem que pagar a franquia. Nos casos em que você é vítima, posteriormente você tem direito de exigir do causador do acidente o ressarcimento da franquia paga por você. Isso é 100% legal, pois você está exigindo um direito seu enquanto vítima.

Porém, nos casos em que o responsável pelo acidente não tem seguro, pode acontecer de ele fazer uma proposta indevida:

Se você é considerado vítima no acidente (ou seja, você não é culpado), pode ocorrer de você ser chantageado pelo responsável pelo acidente que, não tendo seguro, afirma que só lhe indenizará sua franquia se você assumir a culpa no seguro e usar sua cobertura de terceiros para o carro dele. Ele estaria aproveitando sua necessidade de ter sua franquia ressarcida forçando você a assumir a culpa pelo que não é sua culpa. Assim, ele que não tem seguro se aproveitaria do seu seguro para consertar o carro dele.

O pagamento de sua franquia é usado como barganha pelo causador do acidente para usar sua cobertura de terceiros indevidamente. Não aceite esse tipo de proposta, pois poderá implicar em cancelamento do seu seguro e no não-pagamento de sua indenização. Apesar de parecer uma solução “prática”, é condenada nos artigos 765 e 768 do Código Civil brasileiro.

A cobertura de terceiros do seu seguro só pode ser  usada nos casos em que você é considerado culpado pelo acidente, e não como “moeda de troca” pelo ressarcimento de sua franquia. Não se deixe enganar: se você é vítima, o ressarcimento da franquia é um direito seu, e não uma barganha do causador do acidente.

Algumas dicas e casos especiais

Para brações e azarados, melhor se garantir…
Franquia reduzida

Todas as seguradoras oferecem as opções de franquia normal e franquia reduzida. A franquia reduzida, como o próprio nome já diz, é menor. A contrapartida disso é que o preço do seguro fica mais caro. O quão mais caro, dependerá de cada caso.

Confira aqui lista de dicas para avaliar qual o melhor escolha de franquia para seu caso.

Para pessoas com deficiência:
Descontos de franquia

Em seguradoras como a Porto Seguro, existem ainda casos especiais para pessoas com deficiência: essas pessoas podem ter até 25% de desconto na franquia. Os casos variam, mas no geral pessoas com deficiência tem condições especiais no seguro, por isso é importante consultar o corretor antes de fechar o seguro.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP, atualmente cursa MBA em Trends Innovation na Inova Business School. É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, um projeto inovador focado no atendimento humanizado e diferenciado. Atua como Gerente de Qualidade na Skill Seguros e dirige a Comissão de T.I. do Grupo Exalt, maior grupo de corretores de Campinas e Região.
Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.

431 Responses to Franquia do seguro de automóvel: o que é e quando não tenho que pagar?

  1. Pingback: Como proceder em uma colisão de veículos | Muquirana Corretora de Seguros

  2. Kelvy diz:

    Ola, eu bati atrás e o carro teve perda parcial a dona do carro em que eu bati tem seguro, so que ela falo que se acionar o seguro eu vou ter que pagar a franquia e depois a seguradora dela pode me procurar para que eu pague a diferença do orçamento isso pode acontecer? O que eu devo fazer?

    • Jessica diz:

      Kelvy, bom dia!

      Sim, isso pode acontecer.
      Quando
      Quando causamos uma colisão de trânsito somos responsáveis pelos prejuízos causados. Se a vítima aciona o próprio seguro e não é culpada pelo acidente, ela tem direito de solicitar o ressarcimento da franquia ao causador do acidente.Como o seguro pagará a diferença que ultrapassar essa franquia, a seguradora pode exigir o ressarcimento da parte paga por ela,pois o segurado não teria sido culpado.

      Com relação a parte da franquia: Ao pagar este valor ao terceiro ou a oficina,exija comprovante de pagamento para evitar cobranças indevidas no futuro. Se você optar por não pagara franquia, a pessoa pode tentar receber na Justiça, mas cabe a ela decidir.

      Com relação a cobrança da diferença pela seguradora: Se isso ocorrer, recomendamos que você procure negociar o valor e formas de parcelamento para caber no seu orçamento. Você também pode se negar a pagar, porém há o risco de a seguradora abrir um processo jurídico contra você.

      Ficamos a disposição!

  3. VALQUIRIO FERREIRA MALTA diz:

    Meu carro foi atingido no parachoque trazeiro qdo. viajava na estrada. A estrada é estadual, não tem acostamento e é dividida em duas únicas faixas, na oportunidade eu ultrapassava um onibus que estava parado, Em seguida, bem proximo a ultrapassagem houve a colisão de uma moto Bis, dirigida por uma Senhora. Ela não quis conversa, embora eu tenha lhe dado toda a assistencia, inclusive no encaminhamento para o hospital. Foi feito o registro policial. Passado alguns meses, entrou na justiça e corre Processo até hoje, alegando a citada senhora que eu cortei a sua frente, xa. Esta exigindo indenização de danos corporais, materiais, com o uma moto nova. Eu ja usei o seguro, mandei arrumar minha camionete, paguei a franquia. Agora estou diante desta situação vertente, pois não esperava por esta iniciativa ja que não houve dialogo entre nos, para estudarmos uma ação conciliadora. Se o Juiz propor uma conciliação o seguro pode pagar a minha parte?

    • Jessica diz:

      Valquirio, bom dia!

      Caso a determinação da Justiça seja em favor da senhora da moto, você poderá usar as coberturas de danos corporais e danos materiais a terceiros de seu seguro, dentro do limite máximo de contratação. Independente de seu seguro da época já ter vencido, não há problemas, pois o sinistro ocorreu dentro da vigência e portanto estava coberto.

      Recomendamos que contate seu corretor de seguros e sua seguradora informando sobre o processo e que deseja usar a cobertura de terceiros do seu seguro vigente na época caso venha a perder a causa ou se vierem a fazer um acordo de conciliação. Eles lhe instruirão como proceder.

      Ficamos a disposição!

  4. Paulo diz:

    Boa tarde,
    A seguradora não esta aceitando que eu faça os reparos na concessionaria, querem uma oficina credenciada por eles, porem se for assim irei perder a garantia do meu carro pela concessionaria, se for na concessionaria querem que eu pague a diferença do orçamento, a seguradora pode exigir que os reparos sejam feitos na oficina que eles quiserem?
    Obrigado!

    • Jessica diz:

      Paulo, boa tarde!

      Como seu carro está dentro da garantia é seu direito levar na concessionária para não perdê-la.
      Contudo, é necessário que a seguradora e a oficina entrem num acordo sobre o valor cobrado pelo conserto. Recomendamos que peça a seu corretor de seguros para intermediar esse diálogo a fim de agilizar a liberação do conserto na concessionária.

      Ficamos a disposição!

  5. Viviane diz:

    Eu bati atrás e fiz uma pequena avaria no carro que estava parado no farol. Disse para a pessoa entrar em contato com a minha seguradora, mas ela entrou com ação de indenização alegando que as tratativas não chegaram a um bom termo e, então foi para a justiça. A vítima é obrigada a aceitar o meu seguro? Pois se pago seguro contra terceiros não posso ser obrigada a indenizá-lo judicialmente ou sou?
    Atenciosamente
    Meu seguro vence em setembro ou outubro.

    • Jessica diz:

      Viviane, boa tarde!

      O terceiro não é obrigado a aceitar o acordo proposta pela seguradora (assim como a seguradora não é obrigada a aceitar um acordo proposto pelo terceiro). Quando a negociação não chega a um consenso, o caminho acaba sendo uma ação jurídica por parte do terceiro para tentar receber na Justiça o valor que ele considera o correto.
      Nesse caso, se houver ganho de causa pelo terceiro, o juiz determinará um valor de indenização. Como a senhora possui cobertura de danos materiais a terceiros no seu seguro, poderá utilizá-la para pagar a indenização determinada pelo juiz, até o limite máximo contratado na apólice.

      Ficamos a disposição!

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: informe a data do vencimento do seu seguro e nos dê a chance de cotá-lo para você! Todas dúvidas são respondidas.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>