Indenização integral de veículo financiado: 3 caminhos

Indenizaçao integral veiculo financiado - 3 caminhos

Comprei o veículo financiado ou consorciado e aconteceu sinistro de perda total. E agora, como fica a indenização integral? Descubra agora!

A compra de veículos com alienação é extremamente comum no Brasil. Seja com financiamento, seja com consórcio, é uma forma de adquirir o veículo dos sonhos sem precisar ter todo o valor dele à vista. Apesar disso tudo, são poucos os brasileiros que sabem como funciona a indenização integral pelo seguro em casos de perda total ou roubo/furto sem recuperação.

No post de hoje mostraremos as 3 formas pelas quais essa indenização pode ser paga.

Aproveite para cotar seu seguro de automóvel com a gente! :)

cotar-seguro-auto-2021

Indenização de veículo financiado/consorciado

Diferença para veículos quitados

O processo de indenização integral de veículos alienados é diferente daquele de veículos quitados. Isso faz com que proprietários de veículos alienados tenham certa insegurança ao longo do processo de sinistro – mas não precisa ser assim. As diferenças são simples e o caminho a ser percorrido também.

O primeiro passo é entender qual a diferença na indenização de um quitado para um alienado.

Sempre que uma seguradora paga indenização integral, primeiro ela transfere a propriedade do veículo para seu nome. É como se ela estivesse comprando o veículo sinistrado pelo valor de um não sinistrado (daí a proteção do seguro para o segurado).

  • Quando o carro não tem alienação, essa transferência é direta, sem processos intermediários.
  • Quando o carro tem alienação, existem alguns passos entre a transferência de propriedade e liberação do pagamento da indenização ao segurado: Primeiro é necessário quitar a dívida, para então a financeira/operadora de consórcio fazer a baixa do gravame e por fim a seguradora liberar o pagamento do saldo de indenização ao segurado.

Exatamente por não ter esses passos intermediários, a liquidação de sinistros de veículos quitados tende a ser mais rápida do que de veículos alienados.

3 caminhos para indenização

Há 3 caminhos possíveis de agir com relação a esses passos intermediários. O segurado deve checar quais são disponibilizados por sua seguradora e seguir por aquele que melhor lhe atende.

Caminho #1
Segurado quita saldo devedor e recebe a diferença

A primeira alternativa é o segurado quitar o saldo devedor do veículo sinistrado usando recursos próprios. A financeira dará baixa no gravame e o segurado receberá da seguradora o valor da indenização integral sem descontos relativos ao financiamento/consórcio.

Exemplo 1: Segurado tem um veículo alienado com dívida em aberto de 5.000 reais. Sofre colisão com perda total e seu veículo é avaliado em 55 mil na Tabela FIPE. Ele opta por quitar 5.000 com recursos próprios. Receberá da seguradora os 55 mil “cheios”.

Caminho #2
Seguradora quita saldo devedor e segurado recebe a diferença

A segunda alternativa é a seguradora se propor a quitar o saldo devedor para o segurado. Posteriormente, após a baixa do gravem, este valor será descontado da indenização integral.

Exemplo 2: Seguradora tem veículo alienado com dívida em aberto de 5.000 reais. Sofre colisão de perda total e seu veículo está avaliado em 55 mil reais. A seguradora quita o saldo devedor de 5.000. O segurado receberá 55.000 – 5.000 = 50 mil reais.

Caminho #3
Substituição de garantia

Este terceiro caminho é recomendado para:

  • Quem não tem como quitar a dívida com recursos próprios (caminho 1 inviável)
  • Quem tem um saldo devedor muito grande não sendo possível quitar nem com a indenização do seguro (caminho 2 inviável)

Nesta opção 3 o segurado negocia com a loja e a financeira, informando que deseja utilizar a indenização integral do seguro para substituir o bem da dívida, alienando um novo carro no lugar do antigo. É o que chamamos de “substituição da garantia”.

Para maiores detalhes sobre este procedimento recomendamos a leitura deste outro post “Substituição de garantia no sinistro de seguro auto em 5 passos”.

Vale ressaltar que nem sempre as lojas e financeiras aceitam este caminho, porém se é o melhor caminho para você, é importante tentar! Vale ressaltar que a seguradora não tem relação com essa aprovação da loja ou da financeira.

Você deve informar sua seguradora que tentará fazer este caminho, se não ela dará sequência no processo de pagamento da indenização pelo caminho da quitação do saldo devedor.

Juros tem cobertura?

Todo saldo devedor é, em parte, juros. Afinal, o seguro não cobre os juros também?

O seguro de automóvel não cobre juros de financiamento. Segundo as normas da SUSEP a função do seguro é a reposição do bem segurado, não abrangendo prejuízos financeiros decorrentes de juros ou depreciação.


E você, tem um carro quitado ou alienado? Já sabia sobre o funcionamento do seguro para veículos alienados?

Aproveite para cotar seu seguro de automóvel com a gente! :)

cotar-seguro-auto-2021

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Jessica

Economista (Unicamp) e Corretora (ENS), especialista em Direito e Economia (Unicamp), com MBA Executivo em Tendências de Inovação (Inova Business School),é desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, Maior Tira-Dúvidas Gratuito sobre Seguros da Internet e Diretora na DM4 Corretora de Seguros.

Uma resposta para Indenização integral de veículo financiado: 3 caminhos

  1. Pingback:Substituição de garantia em sinistro no seguro: 5 passos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.