Como funciona seguro de carro em caso de engavetamento?

como funciona seguro de automóvel em casos de engavetamentoDescubra como funciona o seguro de automóvel em caso de engavetamento!

Os engavetamentos são situações mais comuns do que se imagina, principalmente por conta da correria do dia a dia, que aumenta distrações e imprudências no trânsito. Ao ocorrer um engavetamento é uma grande confusão… Fica no ar quem é responsável pelo quê e, quando as pessoas envolvidas tem seguro, não se sabe o seguro de quem se deve acionar.

Neste artigo explicaremos como funciona o seguro de carro em caso de engavetamento. Daremos alguns exemplos para você entender melhor, mas caso tenha alguma dúvida ou queira compartilhar seu caso pessoal, escreva nos comentários para que possamos ajudar.

Esbarrão X Empurrão

Os motivos do engavetamento geralmente são de dois tipos: ou alguém freia bruscamente e ocorre um esbarrão atrás do outro; ou alguém que vem atrás da fila dá um empurrão em todo mundo. Veja alguns exemplos para visualizar melhor o que queremos dizer por “esbarrão” e por “empurrão”:

  • Um esbarrão atrás do outro: um animal na pista, um pedestre ou ciclista desavisado, um semáforo por fechar, enfim, uma distração ou susto qualquer que causa uma freada brusca e inesperada, deixando o motorista que vem atrás sem tempo de reagir. Nesses casos o engavetamento começa na ponta da frente da fila de carros.
  • Um empurrão inicial impulsiona todos os demais: O último da fila vem com tudo e, colidindo com o penúltimo da fila, impulsiona todos os demais carros fazendo-os colidir. Pode ser um apressadinho, um distraído, um afobado, um motorista inexperiente, mas no final o que ocorre é um grande empurrão de trás da fila. Nesses casos o engavetamento começa na ponta de trás da fila de carros.

Abaixo você confere como saber quem é o culpado quando o engavetamento é causado por um “esbarrão” e quando o engavetamento é decorrente de um “empurrão”.

“De quem é a culpa?”
“O seguro de quem deve ser acionado?”

Em todas as situações de engavetamento o culpado é sempre que bate atrás. O seguro de automóvel funciona da mesma maneira.

A lei de trânsito determina que os carros circulem dentro de uma distância segura a qual garanta tempo de reação. Quando alguém colide na traseira de outro veículo, aos olhos da lei significa que a pessoa que vinha atrás não mantinha uma distância segura, expondo seu veículo e o da frente ao risco de um acidente. Para o seguro de automóvel, a regra é a mesma.

Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

É realmente uma situação complicada, pois sabemos que em diversos pontos das cidades e estradas é praticamente impossível manter essa distância considerada segura. Mas para efeitos da lei, essa é a regra.

Agora vejamos como essa regra funciona para os casos de “esbarrão” e para os casos de “empurrão”.

Nos casos de esbarrão, geralmente são vários “culpados”
“Ele parou e não deu tempo de frear!”

Os casos de engavetamentos decorrentes de esbarrão são os mais complicados, pois no geral tem vários culpados. Vamos ver um exemplo para ficar mais fácil.

Suponha que você está dirigindo numa fila de carros e, subitamente, o carro da frente freia. Você bate na traseira dele. Na sequência, o carro que vinha atrás de você bate na sua traseira. De quem é a culpa? O seguro de quem deverá cobrir o quê?

É preciso analisar por partes:

  1. A primeira colisão foi da sua frente com a traseira do primeiro carro. Portanto, você será considerado responsável pela traseira dele e pela frente do seu carro. Nesse caso, você deverá acionar seu seguro para cobrir a frente do seu carro e para o terceiro em quem você colidiu.
  2. A segunda colisão foi do carro atrás de você com seu carro. Ele será considerado responsável pela sua traseira e pela frente do carro dele. Ele deverá acionar o seguro dele para consertar a sua traseira e a frente do carro dele.

Nos casos de empurrão, geralmente há um único “culpado”
“Um carro bateu no final da fila e empurrou todo mundo!”

No casos de engavetamento decorrente de um empurrão inicial vindo detrás, é mais fácil identificar o culpado, pois geralmente é uma única pessoa.

Suponha que você está numa fila de veículos parados e logo atrás de você está o último da fila. De repente um carro desgovernado vem e bate no último. Esse último não consegue segurar o carro, que bate no seu. Você também não consegue segurar o carro e bate no da frente. De quem é a culpa?

É como se fosse um efeito dominó, em que o carro desgovernado que veio por último empurra todos. Sem o empurrão inicial dele, ninguém haveria colidido. Exatamente por isso ele é considerado culpado por todos os demais carros. Ele deverá acionar o seguro dele para consertar o carro dele e todos os demais veículos.

Eis a importância da cobertura de terceiros!

É nos casos de engavetamento que as pessoas descobrem a importância de ter uma boa cobertura de danos materiais a terceiros no seguro de automóvel. Particularmente, na Muquirana Seguros Online recomendamos sempre a contratação de no mínimo R$100.000 de danos materiais a terceiros.

Imagine um engavetamento decorrente de empurrão, em que você empurrou acidentalmente todos os demais. Já pensou no conserto de quantos carros você poderá ter de arcar? Os custos podem ser altíssimos e gerar um grande prejuízo para você. Uma cobertura de danos materiais a terceiros bem feita pode ser sua salvação numa situação como essa.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP, é sócia da Muquirana Seguros Online. Trabalha nas áreas de Search Engine Optimization (SEO) e Gestão Empresarial com foco em administração financeira e gerenciamento de processos.
Adicionar aos favoritos o permalink.

30 Responses to Como funciona seguro de carro em caso de engavetamento?

  1. Talitha diz:

    Boa tarde Jessica.
    Me envolvi num engavetamento.
    O carro (1) parou em uma fila de carros que estavam parados para passagem de pedestres.
    Meu carro (2) parou logo atrás, mas não lembro se manteve a distancia pois foi tudo muito rapido, mas nao foi uma parada brusca já que ja havia visto a fila parada.
    O carro (3) nao parou e colidiu com meu carro, me projetando pra frente batendo no carro 1.

    A foto mostra claramente a distancia do carro 3 para o meu, e o meu carro ficou colado no carro 1.
    Porém, quando a Justiça volante chegou ao local, a condutora do carro 3 informou que me viu batendo primeiro no carro 1 pra depois ter batido no meu. A condutora do carro 1 diz que sentiu 2 empurroes rapido, mas o dano no carro dela é bem pequeno, quase imperce´tível se comparado a traseira do meu caso eu realmete tivesse batido antes nela.
    Como nao houve acordo, acionei meu seguro pra ver tb se daria assistencia ao carro 1, mas de antemao fui informada que nao daria pois eu nao tive culpa. A proprietaria do carro 1 está me enchendo, dizendo que ela nada tem haver com o carro 3, que eu que sou responsavel pelo dano no carro dela, e dei o numero do sinistro mas antes alertei a ela que nao sabia se iria cobrir, so pela perícia. Acredito que ela irá me acionar judicialmente. Neste caso caso eu seja condenada a seguradora irá arcar com as despesas??? Há chances de que eu seja condenada?

    • Jessica diz:

      Talitha, boa tarde!

      Por favor, verifique se a resposta que enviamos a sua primeira dúvida responde a essas questões. Se permanecer alguma dúvida, nos procure novamente.

      De toda forma, se o proprietário do primeiro carro vir a acioná-la juridicamente e você vier a perder a causa, você poderá acionar a cobertura de terceiros do seu seguro para pagar a indenização estipulada pela Justiça.

      Grande abraço!

  2. Talitha diz:

    Bom dia.

    Me envolvi num engavetamento onde eu estava parada atrás de um veículo, numa distancia relativamente tranquila, porém nao da pra recordar pois os veículos foram parando na faixa de pedestres e eu tb parei. Veio um carro e bateu na minha traseira. O impacto meu jogou pra frente batendo na traseira do veícuo da frente.
    nao houve acordo na Justiça Volante entao acionei meu seguro e passei o sinistro pro da frente pra p seguro avaliar se haverá assistencia, porem fui informada de antemão que talvez nao fosse coberto pois nao tinha sido minha culpa. Agora a proprietaria do veiculo da frente do que nao tem que resolver nada com quem bateu no meu veiculo, que tem que resolver comigo. Afinal, nesse caso a culpa é minha?? Tem chances de, caso ela entre com uma ação contra mim, eu ser condenada?

    • Jessica diz:

      Talitha, boa tarde!

      Segundo sua descrição, entendemos que o culpado pelos danos a todos os carros envolvidos foi o terceiro carro, que ao bater no seu carro a empurrou contra os demais. Esse tipo de situação geralmente é considerado um único evento, com um único responsável, pois todas as colisões foram ocasionadas pelo empurrão inicial do último carro da fila.

      Recomendo que assista este nosso vídeo (clique para ver), talvez ajude.

      Seu seguro cobrirá o primeiro carro somente se você assumir a culpa e as circunstâncias confirmarem o mesmo. Se no Boletim de Ocorrência ficar claro essa sucessão de colisões, acreditamos que realmente haverá recusa do seu seguro em indenizar o primeiro carro.

      Por essas razões, recomendamos que primeiramente procure conversar com o proprietário do primeiro carro, argumentando que ele deverá cobrar os prejuízos do último carro da fila.
      Não havendo acordo nesse sentido, recomendamos que guarde todas as provas de sua inocência: Boletim de Ocorrência, Protocolo de recusa de indenização a terceiro dado pelo seguro por não considerá-la culpada, etc. Caso o proprietário do primeiro carro vier a acioná-la juridicamente, você poderá apresentar esses documentos para tentar ganhar a causa.
      Em última instância, se você vier a perder a causa, poderá acionar a cobertura de terceiros do seu seguro atual para fazer a indenização determinada pela Justiça.

      Ficamos sempre a disposição!
      Faça a cotação de sua renovação de seguro conosco =)

  3. maria elizabeth da silva mendes diz:

    BOM DIA EM DEZEMBRO NA RODOVIA QUE VAI PARA REGIÃO DOS LAGOS POR MARICÁ,NA ALTURA DE SAQUAREMA.UMA CONDUTORA PAROU SEU CARRO BRUSCAMENTE SEM SINALIZAR NADA, PORQUE PASSOU EM SUA FRENTE UM CACHORRO,EU VINHA NA VELOCIDADE DE 60 KM SÓ QUE NÃO DEU PARA DESVIAR POIS É UMA RODOVIA MOVIMENTADA,ONDE ACONTECEU A COLISÃO QUE EM SEGUIDA O CARRO QUE VINHA ATRAS VEIO A COLIDIR NO MEU,MEU CARRO NÃO TEM SEGURO,O DELA TEM ACIONEI O SEGURO DELA FIZ A PERICIA O SEGURO DISSE Q ELE ERA CULPADA POREM ELA NÃO SE ACHA CULPADA ,E O SEGURO ME DISSE Q SÓ PODE REALIZAR OS REPAROS DO MEU CARRO QUANDO A SEGURADA SE DECLARAR CULPADA,NESSE CASO EU TENHO OU NÃO DIREITO DE RECORRER A JUSTIÇA PARA QUE MEU CARRO SEJA CONSERTADO.

    • Jessica diz:

      Maria Elizabeth, bom dia!

      Para poder acionar o seguro de terceiros da pessoa que estava a sua frente é realmente necessário que ela assuma a culpa diante do seguro. Sem que ela assuma, a seguradora não pode liberar a indenização para seu veículo ainda que conste a culpa dela na perícia.

      Não havendo acordo, você pode tentar receber seus prejuízos através da Justiça, mas não temos como dar certeza do ganho de causa pois depende da análise do juiz. Nas situações em que há colisão traseira, geralmente são considerados culpados quem colide atrás, a não ser em algumas circunstâncias específicas em que o veículo a frente infringe uma lei de trânsito ou algo assim. Recomendamos que consulte um advogado para checar quais são as possibilidades no seu caso.

      Apenas uma observação: Se a colisão traseira no seu veículo foi ocasionada por um terceiro veículo, entendemos que os custos de reparação da traseira deverão ser cobrados do proprietário desse terceiro carro. Ao procurar a orientação de um advogado procure questionar isso também.

      Ficamos a disposição!
      Faça uma cotação de seguro com a Muquirana Seguros Online :)

  4. Tijuan Naissinger diz:

    olá gostaria por favor de uma ajuda.

    Estava numa estrada estadual e logo a frente tinha um semáforo. O carro da minha frente (carro1), parou no semáforo, eu parei logo em seguida (carro2), logo atrás de mim, o motorista do carro3, por algum motivo não viu que estávamos parados, e colidiu com a minha traseira me empurrando contra o carro1, tive danos traseiros e dianteiros. Fizemos uma B.O. no momento do ocorrido, descrevendo exatamente o que aconteceu e por assim, assinado por todos. Uma semana depois, a condutora do carro1, disse que iria acionar o seguro, nem eu nem o carro3 temos seguro. Neste caso, existe alguma chance do seguro do carro1 vir diretamente me cobrar os danos dela, e se sim, teria alguma chance de um juiz entender o ocorrido, e apontar o real causador do acidente (carro3), assim me deixando livre de qualquer cobrança. A condutora do carro1 me pediu o valor da franquia do seguro, assim faríamos um acordo por escrito, descrevendo que o valor em questão não é da franquia, mas sim um valor para cobrir os danos, esse documento poderia me ajudar ou não teria muito valor para fins de me deixar livre de qualquer cobrança posterior judicialmente.
    Desde já, obrigado.

    • Jessica diz:

      Tijuan, bom dia!

      Pela sua descrição entendemos que você não pode ser considerado culpado por nenhum dano, uma vez que o carro 2 (seu) foi empurrado pelo carro 3. Entendemos que o carro 3 é considerado responsável por todos os danos (tanto dele próprio quanto do carro 2 e do carro 1), na medida que foi o “empurrão” inicial dele que ocasionou o engavetamento, sendo considerado um único evento.

      Recomendamos que converse com o proprietário do carro 1 e o instrua a cobrar os prejuízos da franquia e outros custos diretamente com o proprietário do carro 3. Utilize a descrição do acidente no B.O. para ajudar na argumentação.

      Sobre a possibilidade de o seguro do carro 1 procurá-lo, depende da interpretação da seguradora sobre o acidente.
      Se no B.O. estiver claro que todas as colisões se iniciaram com a empurrão do carro 3, acreditamos que a seguradora procurará o proprietário do carro 3 e não o senhor.
      Caso ainda assim a seguradora venha a procurá-lo no futuro, apresente o B.O. e outras provas de que seu carro foi empurrado pelo carro 3, isentando você de culpa.

      Sobre o acordo por escrito pelos prejuízos ao carro 1, não recomendamos que proceda desta maneira. Primeiramente, você só deve ressarci-lo da franquia se se considerar culpado. Em segundo lugar, caso se considere culpado e venha a fazer este acordo, é primordial que no acordo por escrito conste que os valores pagos são referentes à franquia do carro 1, para que futuramente você não venha a ser cobrado novamente por este mesmo valor. Caso venha a fazer algum acordo com o carro 1, guarde todos os comprovantes de pagamento e faça um acordo por escrito que especifique de forma clara e transparente a que se refere o valor indenizado.

      Vale ressaltar que se o carro 3 empurrou seu veículo, você também pode solicitar a ele o ressarcimento dos prejuízos pela dianteira e traseira do seu carro.

      Ficamos a disposição!
      Faça uma cotação de seguro conosco, sem compromisso! Podemos encontrar ótimas opções para você e ajudá-lo em situações como essa.

  5. Maria Isabel T Chagas diz:

    Olá, por favor, me ajudem.
    No meu caso aconteceu o seguinte: o carro a minha frente parou para entrar em um posto de gasolina à esquerda. Eu parei (carro 1), pois não tinha como ultrapassá-lo pela direita. O carro (carro 2) de trás também parou. Um terceiro carro (carro 3) não conseguiu parar e colidiu com o carro 2. Um quarto carro (carro 4) bateu forte no carro 3 e empurrou todos, fazendo com que o carro 2 colidisse em minha traseira.
    A proprietária do carro 3, querendo resolver logo a situação, acionou o seguro para o carro 2 e carro 1. Com isso, o proprietário do carro 4 acionou o seguro apenas para o carro dele e traseira do carro 3.
    A seguradora do carro 3 fez a vistoria em meu carro (1) e autorizou o concerto. Uma semana depois, ela mandou suspender o concerto pois o processo ainda estava em análise e depois negou o concerto. E agora, como fica a minha situação? A seguradora poderia ter autorizado e depois desautorizado o concerto do meu carro? Quem foi o responsável pela colisão no meu carro, o carro 2 ou o carro 4? Ou ainda o carro 3? Quem devo acionar?
    Muito obrigada.

    • Jessica diz:

      Maria, boa tarde!

      A seguradora pode desautorizar o conserto ao verificar junto a alguma dos envolvidos que o culpado pela colisão na sua traseira não foi nem o carro 2 nem o carro 3, mas sim o carro 4. Segundo sua descrição também entendemos que o culpado pela traseira do seu veículo (carro 1) é o carro 4 e não os demais.

      Neste caso, recomendamos que entre em contato com o proprietário do carro 4 com esses argumentos e solicite para que ele acione o seguro dele para cobrir os danos ao seu veículo. Eles não terá nenhum custo para fazer isso (terá apenas uma classe de bônus deduzida na renovação do seguro dele). Caso ele não aceite, você terá que acioná-lo nas pequenas causas ou juridicamente.

      Ficamos às ordens!
      Faça uma cotação de seguro conosco quando precisar ;)

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: informe a data do vencimento do seu seguro e nos dê a chance de cotá-lo para você! Todas dúvidas são respondidas.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>