Por que seguro de vida preço nivelado é indicado para jovens?

Entenda por que seguros de vida com preço nivelado são mais interessantes do que seguros tradicionais para jovens de 21 anos em diante!

O seguro de vida resgatável tem sido muito procurado por jovens entre 21 e 35 anos, com boa capacidade de planejamento financeiro. Existem fortes motivos para esta modalidade de seguro de vida moderno ser especialmente interessante para esse grupo. No post de hoje focaremos no aspecto positivo referente ao comportamento do preço ao longo do tempo, mostrando a diferença com relação aos seguros de vida tradicionais.

Somos especialistas em seguros de vida resgatáveis. Faça sua cotação conosco!

Forma de precificação

A grande diferença entre os seguros de vida modernos (dentre os quais está o resgatável) e as linhas tradicionais está na forma de precificação.

Quando a seguradora vai precificar o seguro de vida ela precisa 1) determinar o preço inicial e, como a intenção é que o segurado tenha este seguro ao longo de toda sua vida, 2) determinar como será feita a correção e atualização deste preço conforme os anos passam.

Tanto o seguro tradicional quanto o resgatável usam a taxa de mortalidade da população como principal variável para precificação, assim como incluem em seus contratos índices de correção inflacionária (geralmente o IPCA).

Ainda que tenham esses pontos em comum, os métodos de precificação são muito diferentes: no seguro tradicional é usual o reenquadramento por faixa etária, enquanto que no resgatável (e linhas modernas) usa-se o preço fixo e nivelado. Abaixo explicaremos cada um desses métodos e finalizaremos com um comparativo entre os dois.

Reenquadramento por faixa etária
no seguro de vida tradicional

No seguro de vida tradicional o preço inicial será determinado conforme idade inicial do segurado. Ao longo dos anos, este segurado irá envelhecer. Conforme ele muda de faixa etária o preço anual será reajustado. Algumas seguradoras trabalham com tabelas de reajuste a cada 01, 03 ou até 05 anos.

Isso faz com que o preço do seguro vá subindo conforme o segurado envelhece, dentro das faixas etárias e índices de reajuste previstos em contrato (nos seguro, são as “Condições Gerais”).

Na imagem 1 abaixo mostramos um gráfico ilustrativo de como funciona. Neste exemplo, ocorre reajuste a cada 05 anos de vida do segurado. Veja que o ultimo preço (quando ele chega aos 50 anos) é muito maior do que o preço inicial (quando ele tinha 30 anos).

O preço do seguro tende a se comportar como uma “escada”, na qual a cada mudança de faixa etária o preço sobe.

Imagem 1 – Evolução de preço no seguro de vida tradicional

Preço fixo e nivelado
no seguro de vida resgatável

Nas modalidades de seguros de vida modernos, dentre os quais estão os resgatáveis, usa-se o método de precificação por preço fixo e nivelado.

Fixo porque ele não mudará nunca após a contratação (a não ser pela correção inflacionária, que também ocorre na modalidade tradicional).

Nivelado porque a determinação do preço inicial e de toda vigência da apólice (já que é fixo) considera a expectativa de vida do segurado em todas fases de sua vida e não apenas no momento da primeira contratação. Enquanto no seguro de vida tradicional o preço inicial considera principalmente a taxa de mortalidade da idade do segurado no momento da contratação, o seguro resgatável observará a taxa de mortalidade do segurado em todas fases de sua vida e ponderará isso para um preço inicial.

Em outras palavras, o seguro de vida moderno/resgatável nivela o preço do seguro ao longo do tempo para um único preço no presente.

Com essa “antecipação” da precificação futura, ele consegue criar um preço presente que valerá para todo o restante do plano. Na imagem 2 abaixo mostramos como o preço se comporta ao longo do tempo: independente de o segurado envelhecer, ele pagará o mesmo preço, sem surpresas.

Imagem 2 – Evolução do preço no seguro de vida resgatável com preço nivelado

Comparando

Os diferentes métodos de precificação fazem com que cada uma dessas modalidades tenham suas vantagens e desvantagens para determinados públicos.

O seguro de vida tradicional tende a ter preços iniciais menores, porém esses preços podem subir muito com o tempo conforme ocorre o reenquadramento da faixa etária do segurado.

Já o seguro de vida resgatável tende a ter um preço maior do que o tradicional no início, porém conforme o tempo passa, ele fica relativamente muito mais barato já que não existe reenquadramento por idade.

A imagem 3 abaixo mostra isso. Veja que no início (quadrados vermelhos) o preço do seguro tradicional (esquerda) é menor que do seguo resgatável (direita). Mas conforme o tempo passa (quadrados verdes), o preço do segurado tradicional (esquerda) fica muito maior que do seguro resgatável (direita).

Isso tudo sem falar no fato de que o seguro tradicional não tem formação de reservas e portanto não permite resgate. Enquanto que no seguro de vida resgatável existe essa formação com possibilidade de resgates parciais ou até integrais do valor pago mensalmente.

Por essas caraterísticas, o seguro de vida é desvantajoso para quem não tem condições financeiras de suportar uma parcela um pouco maior no inicio do plano. Mas é extremamente vantajoso para quem consegue pagar parcelas maiores sendo ainda jovem, pois não terá surpresas com mudanças de preço e ainda poderá planejar resgates parciais ou integrais conforme envelhecer.

Imagem 3 – Evolução de preço no seguro tradicional em comparação com seguro de vida resgatável com preço nivelado

Aproveite e faça a cotação do seu seguro de vida resgatável – Estamos aqui para ajudar!

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Jessica

Economista (Unicamp), especialista em Direito e Economia (Unicamp), com MBA Executivo em Tendências de Inovação (Inova Business School), atualmente cursa Programa Avançado em Data Science e Decisão (Insper). É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, Maior Tira-Dúvidas Gratuito sobre Seguros da Internet e da Youcons, plataforma inteligente de consórcios; Diretora comercial na DM4 Corretora de Seguros; Professora na extensão universitária em Direito e Economia da UNICAMP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *