O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

Ouça ‘O que é perda total no seguro de automóvel e quando é considerado PT’ (EM ÁUDIO)

o que é perda total e quando é considerado ptSaiba o que é perda total (PT) do veículo e quais os critérios para um automóvel chegar a dar PT

O que é perda total de veículo? Parece uma pergunta simples, mas a falta de conhecimento sobre os critérios que determinam a perda total de um veículo muitas vezes causam surpresa na hora de acionar o seguro de automóvel. Saiba o que é a perda total (popularmente conhecida como “PT”) do veículo e conheça os critérios que determinam se é ou não perda total. Assim você evita surpresas indesejadas e garante seus direitos no seguro de seu automóvel.

Leia também:
“Se airbag abre dá perda total (PT) no seguro de automóvel?”
“O que o seguro de automóvel cobre?”

Geralmente há dois tipos de surpresa por parte do segurado quanto à perda total. Primeiro caso: Devido a uma colisão o veículo é danificado mas, aparentemente, não foi algo tão grave assim. No entanto o seguro considera perda total.  O segurado reluta em aceitar, pois acredita que os danos foram apenas parciais, e não totais. Segundo caso: O veículo aparentemente está destruído, todo amassado, mas não chega a dar perda total. Nesse caso, o segurado indigna-se em ver seu automóvel bastante destruído e não ser considerado total. Em ambos os casos, a surpresa e indignação decorrem de falta de conhecimento sobre os critérios do seguro para classificar os danos ao veículo como perda total. Conhecer esses critérios ajuda você a garantir seus direitos e evitar dores de cabeça.

O que é perda total (PT) de veículo?
Quais os critérios para ser considerado PT?

Tecnicamente falando, o seguro considera perda total quando os custos da reparação do veículo ultrapassam 75% do valor segurado. O valor segurado é determinado pela Tabela Fipe, que é uma referência do valor de mercado do veículo.

Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

Saiba o que é, como funciona e para que serve a Tabela Fipe clicando aqui. 

Vamos ver uma exemplo, para ficar mais fácil de entender: Suponha que você tem um carro que, pela Tabela Fipe, está valendo R$ 10.000. Nesse caso, para ser considerado perda total, o custo de reparação do veículo deveria ser igual ou superior a R$ 7.500 (75% de 10.000). Por exemplo: sem querer você bate o carro e, ao levar à oficina, o orçamento para consertá-lo fica em 6.000. Neste caso, não há perda total, pois os custos ficaram abaixo de 7.500. Agora, se o orçamento tivesse ficado em R$ 8.000 então teria atingido (e ultrapassado) o limite de 75% do valor segurado, sendo considerado perda total.

No caso de carros muito antigos, é mais fácil chegar a dar perda total. Isso porque seu valor de mercado já está bastante depreciado. Isso, somado ao fato de o custo das peças ser alto, faz com que pequenos danos atinjam facilmente 75% do valor segurado.

O que acontece no seguro de automóvel quando dá perda total?

Quando acontece perda total, o seguro paga para o segurado o valor de indenização integral. Ou seja, o cliente recebe o valor total do carro previsto na Tabela Fipe.

Alguns segurados contratam mais do que 100% da Tabela Fipe, por exemplo 110%. Nesse caso, o segurado receberá 100% do valor do automóvel + 10% desse valor. Por exemplo: Suponha que seu carro vale 10.000 segundo a Tabela Fipe. Se você contratar cobertura de 110%  da Tabela Fipe, em caso de perda total receberá 10.000 + 1.000 = 11.000. Ou seja, 100% + 10%.

Também há casos em que o segurado contrata cobertura de despesas extras. No caso de perda total ele receberá o valor do veículo mais as despesas extras contratadas.

E quando não chega a dar perda total, o que acontece?

Quando não chega a dar perda total, dizemos que foram “danos parciais”. Nesses casos, o seguro cobrirá os custos de reparação apenas quando eles ultrapassarem o valor da franquia. O segurado paga  a franquia, e o seguro paga os custos restantes.

Para saber o que é e como funciona a franquia no seguro de automóvel clique aqui.

Leia também: “Franquia normal ou reduzida: qual a melhor opção?”

E quando dou perda total no carro de outra pessoa?

As vezes a barbeiragem é grande e acabamos destruindo o carro de um terceiro. Para esses casos existe a cláusula de cobertura de danos materiais a terceiros. Para saber como funciona essa cláusula do seguro, clique aqui.

E nos casos de roubo: é perda total?

No caso de roubo em que o veículo não é recuperado, não é considerado perda total, mas o segurado recebe indenização integral, assim como quando há perda total.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP, atualmente cursa MBA em Trends Innovation na Inova Business School. É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, um projeto inovador focado no atendimento humanizado e diferenciado. Atua como Gerente de Qualidade na Skill Seguros e dirige a Comissão de T.I. do Grupo Exalt, maior grupo de corretores de Campinas e Região.
Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.

501 Responses to O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

  1. Jean diz:

    Por favor me ajude!!!
    Eu posso comprar um carro que já foi dado como PT?
    E ilegal ou legal?

    • Jessica diz:

      Jean, boa tarde!

      O carro deve estar com a documentação regular (autorizado a voltar a circulação dentro das normas de segurança do DETRAN).
      Para maiores detalhes recomendamos que consulte um despachante.

      Atenciosamente,

  2. osmar diz:

    tive um sinistro com meu carro e a seguradora deu como PT, o conserto ficaria em torno de 30000 e a fipe do meu carro é de 42000, ou seja, ñ ultrapassa 75%, eu posso me negar a aceitar?

    • Jessica diz:

      Osmar, boa tarde!

      Recomendamos que verificar nas Condições Gerais da sua seguradora se a cláusula de perda total prevê um percentual menor que 75%. Desconhecemos seguradoras que trabalham com percentual de 71% para perda total como está sendo o seu caso, por isso se não constar nas Condições Gerais este percentual e sim o usual de 75% você não é obrigada a aceitar a perda total.

      Ficamos à disposição

  3. Leandro P. Alberge diz:

    Jessica,
    Estava dirigindo meu veiculo quando outro veiculo bateu em minha lateral fazendo com que eu perdesse o controle e viesse a bater em um poste, no caso a pessoa que bateu tem seguro, queria saber se o seguro paga todo o acidente ou só a parte que ele bateu antes de eu ter me colidido com o poste?

    • Jessica diz:

      Leandro, boa tarde!

      Se o seu carro foi empurrado por ele contra o poste ou se você perdeu o controle após a primeira colisão, o outro motorista é considerado responsável por todas as colisões que são entendidas pelo seguro como um único evento.
      A seguradora deverá analisar a descrição no acidente no Boletim de Ocorrência e verificando que ocorreu desta forma você poderá solicitar indenização inclusive pelos danos decorrentes da colisão com o poste.

      Ficamos à disposição!

  4. Ruodolpho diz:

    meu carro capotou, e teve uma série de avarias, nas oficinas que fiz o orçamento para concerto do veiculo, o gasto é maior que 75% do que seu valor na tabela fipe, pois pedi um orçamento com as peças originais do veiculo. Contudo, a seguradora quer concertar o veiculo, alegando que pode por peças similares. Eu, sendo o segurado, posso exigir as peças originais? Já que meus orçamentos deram mais que 75%, posso exigir receber o valor do veiculo em vez do concerto do mesmo?

    • Jessica diz:

      Ruodolpho, bom dia!

      Primeiramente recomendamos que peça ajuda a seu corretor para intermediar a negociação com a seguradora.
      Verifiquem nas Condições Gerais do seguro se a seguradora prevê o uso de peças originais (a grande maioria tem um cláusula que garante o uso de peças originais). Se houver esta cláusula, peça a seu corretor para ajudar a argumentar que deseja que façam conforme previsto no contrato, utilizando somente peças novas e originais de fábrica. Se não houver esta cláusula, será necessário negociar com a seguradora alegando que há peças originais no mercado o que não justifica a utilização de peças usadas ou recondicionadas.

      Ficamos à disposição

  5. Jorge Salabert diz:

    Meu carro, um Fiat 500 já está na oficina da Concessionária da Fiat há mais de 1 mês e eles alegam que não tem peças para o reparo. Tenho seguro e o carro já saiu da garantia de fábrica, mas fez todas as revisões na Concessionária Fiat. Esta falta de peças para o reparo, sem previsão de recebimento, pode caracterizar uma perda total do veículo para fins de indenização junto a seguradora? Grato.

    • Jessica diz:

      Jorge, bom dia!

      Como trata-se de um veículo de modelo recente, ainda existe a fabricação de peças. A falta de peças é considerada momentânea e dificilmente poderá caracterizar perda total por falta de peças originais.
      Neste caso a falta de peças é considerada de responsabilidade do fabricante, sendo necessário pressioná-lo para a entrega das peças o quanto antes. O Código do Consumidor prevê que “Art. 32. Os fabricantes e importadores deverão assegurar a oferta de componentes e peças de reposição enquanto não cessar a fabricação ou importação do produto.” por isso se eles não lhe passarem um prazo para entrega das peças entendemos que é seu direito reclamar nos órgãos de defesa do consumidor e, em última instância, levar o caso à Justiça contra o fabricante. Um advogado poderá lhe instruir melhor sobre esses detalhes.

      Ficamos à disposição

  6. Henrique Dias Coelho diz:

    Um rapaz bateu no meu carro e danificou a traseira toda. fiz 2 orçamentos fora da oficina sugerida pela seguradora, e o concerto ficou entre 6.400,00/7.000,00 que certamente seria PT. mas a oficina da seguradora disse que teria que serrar a traseira e colocar outra e esse serviço ficaria de 4 a 5 mil o que não daria PT. o valor do meu carro na tabela fipe é 8.600,00. Será que é possível dar PT mesmo não atingindo os 75% do valor? eu posso me recusar a deixar eles serrarem meu carro, exigindo que arrumem com peças novas?

    • Jessica diz:

      Henrique, boa tarde!

      Como você é terceiro, você pode tentar negociar com a seguradora informando que não concorda com o procedimento sugerido e que pelos orçamentos feitos por você em outras oficinas, seria considerado PT. Será necessário acordo de ambas as partes (você e a seguradora), e não havendo um acordo será preciso tentar resolver na Justiça. Para este último caso, recomendamos que consulte um advogado para melhor lhe instruir.

      Ficamos à disposição!

  7. robelio lago diz:

    meu carro bateu se por acaso a seguradora não deu perca total ele pode vi de forma diferente.

    • Jessica diz:

      Robelio, boa tarde!

      Quando o conserto é feito por oficina referenciada da seguradora, a garantia de qualidade do serviço é dada tanto pela oficina quanto pela seguradora, devendo o carro ser entregue em perfeito estado de uso e conservação.

      Já se o conserto for feito por uma oficina não referenciada, a garantia do serviço é somente da oficina e não da seguradora. Fica a cargo da oficina entregar o carro em perfeito estado.

      Ficamos à disposição!

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: procure ser breve, pois são muitas dúvidas todos os dias! Todas dúvidas são respondidas. :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *