O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

Saiba o que é perda total (PT) do veículo e quais os critérios para um automóvel chegar a dar PT

O que é perda total de veículo? Parece uma pergunta simples, mas a falta de conhecimento sobre os critérios que determinam a perda total de um veículo muitas vezes causam surpresa na hora de acionar o seguro de automóvel. Saiba o que é a perda total (popularmente conhecida como “PT”) do veículo e conheça os critérios que determinam se é ou não perda total. Assim você evita surpresas indesejadas e garante seus direitos no seguro de seu automóvel.

Leia também:
“Se airbag abre dá perda total (PT) no seguro de automóvel?”
“O que o seguro de automóvel cobre?”

Geralmente há dois tipos de surpresa por parte do segurado quanto à perda total. Primeiro caso: Devido a uma colisão o veículo é danificado mas, aparentemente, não foi algo tão grave assim. No entanto o seguro considera perda total.  O segurado reluta em aceitar, pois acredita que os danos foram apenas parciais, e não totais. Segundo caso: O veículo aparentemente está destruído, todo amassado, mas não chega a dar perda total. Nesse caso, o segurado indigna-se em ver seu automóvel bastante destruído e não ser considerado total. Em ambos os casos, a surpresa e indignação decorrem de falta de conhecimento sobre os critérios do seguro para classificar os danos ao veículo como perda total. Conhecer esses critérios ajuda você a garantir seus direitos e evitar dores de cabeça.

O que é perda total (PT) de veículo?
Quais os critérios para ser considerado PT?

Tecnicamente falando, o seguro considera perda total quando os custos da reparação do veículo ultrapassam 75% do valor segurado. O valor segurado é determinado pela Tabela Fipe, que é uma referência do valor de mercado do veículo.

Saiba o que é, como funciona e para que serve a Tabela Fipe clicando aqui. 

Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

Vamos ver uma exemplo, para ficar mais fácil de entender: Suponha que você tem um carro que, pela Tabela Fipe, está valendo R$ 10.000. Nesse caso, para ser considerado perda total, o custo de reparação do veículo deveria ser igual ou superior a R$ 7.500 (75% de 10.000). Por exemplo: sem querer você bate o carro e, ao levar à oficina, o orçamento para consertá-lo fica em 6.000. Neste caso, não há perda total, pois os custos ficaram abaixo de 7.500. Agora, se o orçamento tivesse ficado em R$ 8.000 então teria atingido (e ultrapassado) o limite de 75% do valor segurado, sendo considerado perda total.

No caso de carros muito antigos, é mais fácil chegar a dar perda total. Isso porque seu valor de mercado já está bastante depreciado. Isso, somado ao fato de o custo das peças ser alto, faz com que pequenos danos atinjam facilmente 75% do valor segurado.

O que acontece no seguro de automóvel quando dá perda total?

Quando acontece perda total, o seguro paga para o segurado o valor de indenização integral. Ou seja, o cliente recebe o valor total do carro previsto na Tabela Fipe.

Alguns segurados contratam mais do que 100% da Tabela Fipe, por exemplo 110%. Nesse caso, o segurado receberá 100% do valor do automóvel + 10% desse valor. Por exemplo: Suponha que seu carro vale 10.000 segundo a Tabela Fipe. Se você contratar cobertura de 110%  da Tabela Fipe, em caso de perda total receberá 10.000 + 1.000 = 11.000. Ou seja, 100% + 10%.

Também há casos em que o segurado contrata cobertura de despesas extras. No caso de perda total ele receberá o valor do veículo mais as despesas extras contratadas.

E quando não chega a dar perda total, o que acontece?

Quando não chega a dar perda total, dizemos que foram “danos parciais”. Nesses casos, o seguro cobrirá os custos de reparação apenas quando eles ultrapassarem o valor da franquia. O segurado paga  a franquia, e o seguro paga os custos restantes.

Para saber o que é e como funciona a franquia no seguro de automóvel clique aqui.

Leia também: “Franquia normal ou reduzida: qual a melhor opção?”

E quando dou perda total no carro de outra pessoa?

As vezes a barbeiragem é grande e acabamos destruindo o carro de um terceiro. Para esses casos existe a cláusula de cobertura de danos materiais a terceiros. Para saber como funciona essa cláusula do seguro, clique aqui.

E nos casos de roubo: é perda total?

No caso de roubo em que o veículo não é recuperado, não é considerado perda total, mas o segurado recebe indenização integral, assim como quando há perda total.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP, é sócia da Muquirana Seguros Online Ltda. e trabalha na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) com foco em Search Engine Optimization (SEO), inovação na internet e gestão empresarial.
Marcado , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

182 Responses to O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

  1. Danielle diz:

    Galera bom dia,

    A luz do Airbag do meu carro acendeu do nada, sem colisão. Na autorizada eles não conseguiram detectar o problema e disseram que seria PT em meu carro.
    O carro acende a luz acusando defeito no Airbag ou cinto pirotécnico.
    Nesse caso o seguro cobrirá as despesas ou ficarei no prejuízo?

    Agradeço.

    • Jessica diz:

      Danielle, bom dia!

      O seguro tem por função a proteção contra o risco e nesse sentido cobre danos causados por acidentes previstos na apólice, como por exemplo colisão, incêndio, alagamento etc.; além de roubo e furto.
      Situações como defeitos ou desgaste natural de peças não tem cobertura, pois não se enquadram como risco.

      Se seu carro ainda está na garantia você pode recorrer ao fabricante.
      Caso o carro já esteja fora da garantia mas seja constatado em laudo técnico que o problema veio de fábrica, você também pode tentar receber seus prejuízos do fabricante através das Pequenas Causas ou com uma ação jurídica.

      Ficamos a disposição.

  2. RODOLFO DA CPASXHOALUNHA diz:

    Meu carro foi roubado e recuperado. Batido e sem duas rodas, macaco, extintor, etc…, esses equipamentos são cobertos pela seguradora?

    • Jessica diz:

      Rodolfo, bom dia!

      Nestes casos funciona como perda parcial do veículo: O segurado paga a franquia e o seguro paga todos os custos que ficarem acima da franquia, para conserto e reposição de itens originais de fábrica.

      Se tiver mais dúvida, ficamos a disposição.
      Na renovação do seu seguro, faça uma cotação sem compromisso conosco! Clique aqui para solicitar orçamento.

  3. Elen Eller diz:

    Boa tarde.
    Gostei das respostas aos internaltas. Muito proveitoso.

    Mas tenho algumas súvidas e se possivel gostaria de algumas “orientações”:

    Tenho uma CRV e me envolvi em um acidente, portanto, o air bag acionou no momento da colisão.
    Acionei o seguro que é de uma associação, então criou-se a seguintes dúvidas:

    1 – Após a colisão e o air bag ser acionado a seguradora não deu PT no carro e achou melhor em arrumá-lo todo.
    Eu achava que quando isso ocorresse seria um PT….
    A seguradora colocou um air bag de um outro veículo que foi batido mas não acionou o air bag.
    Isso é correto?
    Qual segurança eu tenho com relação a esse equipamento de segurança?
    Tenho que ter um laudo deste serviço?

    2- Qual o órgão que fiscaliza e regulariza essa questão de air bag?

    3- Se isso é ilegal onde devo recorrer?

    4- Tem quatro meses que estou esperando o conserto do carro, segundo a leis quando tempo a seguradora tem para entregar o carro pronto?

    Muito obrifgado e aguardo ma resposta.

    Att.:

    Elen Eller

    • Jessica diz:

      Elen, bom dia!

      Primeiramente, ficamos felizes que tenha gostado de nossa proposta! Nos colocamos a disposição também para cotar seu seguro quando ele for vencer, não deixe de nos contatar.

      Vamos às questões:

      Trabalhamos somente com seguradoras regularizadas pela SUSEP, por isso não temos maiores informações de como funciona o seguro com associações ou cooperativas. Neste artigo explicamos a diferença dessa regularização.

      Abaixo respondemos suas questões com base nas normas estabelecidas pela SUSEP para seguradoras regulares, mas recomendamos que leia o contrato de sua associação para checar se essas informações também valem no seu caso.

      1. Critério de perda total: No caso das seguradoras regulares é necessário que o custo total de reparação do veículo atinja 75% do valor do carro pela Tabela FIPE. Esse critério independe do acionamento ou não do airbag, portanto, se o airbag for acionado mas os custos não atingirem 75%, será considerado perda parcial com conserto do veículo. Tratamos com mais profundidade desse assunto neste post “Se airbag abre dá perda total (PT) no seguro?”.
      Substituição do airbag: As seguradoras regulares são obrigadas por lei a reporem os itens sinistrados com peças novas e originais de fábrica.
      Segurança e laudo do serviço: Enquanto consumidora, entendemos que você pode fazer uma vistoria a fim de checar a segurança do airbag instalado e apresentar este laudo a sua associação.

      2. Fiscalização de airbags: Não sabemos dizer qual órgão fiscaliza a instalação de airbags. Recomendamos que procure essa informação junto ao DETRAN ou diretamente com o fabricante do airbag.

      3. Legal ou ilegal: No caso das associações realmente não sabemos dizer se é ilegal ou não, pois não há regulação da SUSEP. Recomendamos que reveja o contrato do seu seguro com a associação. Caso o contrato não tenha sido respeitado ou você sinta que seus direitos de consumidor foram negligenciados, será necessário recorrer a algum órgão de defesa do consumidor ou entrar com uma ação jurídica.

      4. Prazos: Nos casos de seguradoras regulares o prazo é de 30 dias. Alguns casos podem atrasar um pouco por conta da oficina ou falta de peças no fabricante, mas atrasos excepcionais como o seu não são normais dentro de nossa experiência.

      Ficamos a disposição.
      Na renovação do seu seguro, peça uma consultoria gratuita com a Muquirana Seguros Online: clique aqui!

  4. Paulo Carvalho diz:

    ESTOU SENDO COBRADO PELA SEGURADORA POR UM CARRO
    QUE A ELA DEU PERDA TOTAL.
    SÓ QUE REPAREI QUE O CARRO ESTA RODANDO EM OUTRA CIDADE.
    ISSO É POSSIVEL?

    • Jessica diz:

      Paulo, boa tarde!

      Se você é responsável pela perda total do veículo a seguradora realmente pode procurá-lo para solicitar o ressarcimento dos prejuízos.
      A respeito de o carro star circulando, pode ser que o carro que deu perda total tenha sido vendido em leilão da seguradora, que o comprador o tenha restaurado e agora esteja circulando.

      Continuamos a disposição!

  5. Renato diz:

    Boa tarde, parabéns pelo blog. Gostaria de saber se meu carro “bateu o motor”, é considerado perda total? Obrigado

    • Jessica diz:

      Renato, bom dia!

      Muito obrigada pelos parabéns! :)

      Para ser considerado perda total é necessário que os custos de reparação do veículo ultrapassem 75% do valor do carro na Tabela FIPE. Se os danos ao motor decorrerem de colisão ou incêndio e seu conserto chegar a 75% do valor do carro na Tabela FIPE então será perda total e o seguro lhe pagará indenização integral.

      Geralmente sinistros de grande monta em que o motor é atingido costumam dar perda total, pois o custo do conserto é bastante alto. Mas é necessário avaliar o orçamento da oficina para ver se atinge o critério dos 75%.

      Neste outro artigo “Seguro de automóvel cobre motor” (clique para ler) nos aprofundamos um pouco na questão da cobertura do seguro para motor, em situações como quando o motor funde. Se interessar, não deixe de dar uma olhada.

      Se pudermos ajudar com mais alguma dúvida, basta nos procurar novamente!
      Aproveite e peça sua cotação de seguro de automóvel com a Muquirana Seguros Online :)

  6. Paulo diz:

    Jessica, gostaria de saber se é comum o seguro se recusar a segurar um carro que teve sua longarina trocada por sinistro. Pergunto isso pois um colega foi vender o carro que teve sinistro e teve as longarinas dianteiras trocadas, no momento a loja compradora do veículo depreciou em 35%, alegando que o proximo cliente que faria a aquisição do carro não conseguiria contratar seguro para ele, pois não seria aprovado na vistoria. A minha dúvida é, se as seguradoras autorizam a recuperação do veículo, não faz sentido elas não aceitarem fazer o seguro dos carros recuperados.

    • Jessica diz:

      Paulo, boa tarde!

      Infelizmente esta é uma regra estipulada pelas seguradoras. Realmente a informação está correta.
      Porém, vale ressaltar que a média de depreciação feita pelas seguradoras nesses casos é de 20% e não de 35%.

      Nós particularmente concordamos com você, de que é incoerente a seguradora não fazer seguros para carros recuperados que ela mesma coloca novamente no mercado através de leilões, após recuperá-los. Porém, são regras internas delas.

      Continuamos a disposição! Aproveite e faça sua cotação com a Muquirana Seguros Online quando precisar :)

  7. valney diz:

    Quero aqui parabeniza-la, e deixar também meus mais elevados agradecimentos!

    Valney

  8. Valney diz:

    por favor, quando o carro envolvido em colisão tem sua longarina afetada, obrigatoriamente a seguradora tem que dar perda total? Ou a seguradora pode fazer reparos na longarina sabendo que trata-se de parte estrutural do veículo?
    há regras para este tipo de sinistro?

    Desde já agradeço.

    • Jessica diz:

      Valney, bom dia!

      Segundo as Condições Gerais dos seguros de automóvel o critério para perda total, mesmo em sinistros que afetam a longarina e outras partes estruturais, é que o custo de reparação do veículo atinja 75% do valor do mesmo na Tabela FIPE.

      Porém, vale ressaltar que se dentro desse critério não chegar a dar perda total e o carro for consertado, é imprescindível que ele seja entregue em perfeito estado de uso, com garantia do serviço pela oficina e pela seguradora.

      Se pudermos ajudar com algo mais, nos envie novas questões. E conte com a Muquirana Seguros na renovação do seu seguro :)

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: informe a data do vencimento do seu seguro e nos dê a chance de cotá-lo para você! Todas dúvidas são respondidas.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>