O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

Ouça ‘O que é perda total no seguro de automóvel e quando é considerado PT’ (EM ÁUDIO)

o que é perda total e quando é considerado ptSaiba o que é perda total (PT) do veículo e quais os critérios para um automóvel chegar a dar PT

O que é perda total de veículo? Parece uma pergunta simples, mas a falta de conhecimento sobre os critérios que determinam a perda total de um veículo muitas vezes causam surpresa na hora de acionar o seguro de automóvel. Saiba o que é a perda total (popularmente conhecida como “PT”) do veículo e conheça os critérios que determinam se é ou não perda total. Assim você evita surpresas indesejadas e garante seus direitos no seguro de seu automóvel.

Leia também:
“Se airbag abre dá perda total (PT) no seguro de automóvel?”
“O que o seguro de automóvel cobre?”

Geralmente há dois tipos de surpresa por parte do segurado quanto à perda total. Primeiro caso: Devido a uma colisão o veículo é danificado mas, aparentemente, não foi algo tão grave assim. No entanto o seguro considera perda total.  O segurado reluta em aceitar, pois acredita que os danos foram apenas parciais, e não totais. Segundo caso: O veículo aparentemente está destruído, todo amassado, mas não chega a dar perda total. Nesse caso, o segurado indigna-se em ver seu automóvel bastante destruído e não ser considerado total. Em ambos os casos, a surpresa e indignação decorrem de falta de conhecimento sobre os critérios do seguro para classificar os danos ao veículo como perda total. Conhecer esses critérios ajuda você a garantir seus direitos e evitar dores de cabeça.

O que é perda total (PT) de veículo?
Quais os critérios para ser considerado PT?

Tecnicamente falando, o seguro considera perda total quando os custos da reparação do veículo ultrapassam 75% do valor segurado. O valor segurado é determinado pela Tabela Fipe, que é uma referência do valor de mercado do veículo.

Faça-já-cotação-do-seu-seguro-de-automóvel

Saiba o que é, como funciona e para que serve a Tabela Fipe clicando aqui. 

Vamos ver uma exemplo, para ficar mais fácil de entender: Suponha que você tem um carro que, pela Tabela Fipe, está valendo R$ 10.000. Nesse caso, para ser considerado perda total, o custo de reparação do veículo deveria ser igual ou superior a R$ 7.500 (75% de 10.000). Por exemplo: sem querer você bate o carro e, ao levar à oficina, o orçamento para consertá-lo fica em 6.000. Neste caso, não há perda total, pois os custos ficaram abaixo de 7.500. Agora, se o orçamento tivesse ficado em R$ 8.000 então teria atingido (e ultrapassado) o limite de 75% do valor segurado, sendo considerado perda total.

No caso de carros muito antigos, é mais fácil chegar a dar perda total. Isso porque seu valor de mercado já está bastante depreciado. Isso, somado ao fato de o custo das peças ser alto, faz com que pequenos danos atinjam facilmente 75% do valor segurado.

O que acontece no seguro de automóvel quando dá perda total?

Quando acontece perda total, o seguro paga para o segurado o valor de indenização integral. Ou seja, o cliente recebe o valor total do carro previsto na Tabela Fipe.

Alguns segurados contratam mais do que 100% da Tabela Fipe, por exemplo 110%. Nesse caso, o segurado receberá 100% do valor do automóvel + 10% desse valor. Por exemplo: Suponha que seu carro vale 10.000 segundo a Tabela Fipe. Se você contratar cobertura de 110%  da Tabela Fipe, em caso de perda total receberá 10.000 + 1.000 = 11.000. Ou seja, 100% + 10%.

Também há casos em que o segurado contrata cobertura de despesas extras. No caso de perda total ele receberá o valor do veículo mais as despesas extras contratadas.

E quando não chega a dar perda total, o que acontece?

Quando não chega a dar perda total, dizemos que foram “danos parciais”. Nesses casos, o seguro cobrirá os custos de reparação apenas quando eles ultrapassarem o valor da franquia. O segurado paga  a franquia, e o seguro paga os custos restantes.

Para saber o que é e como funciona a franquia no seguro de automóvel clique aqui.

Leia também: “Franquia normal ou reduzida: qual a melhor opção?”

E quando dou perda total no carro de outra pessoa?

As vezes a barbeiragem é grande e acabamos destruindo o carro de um terceiro. Para esses casos existe a cláusula de cobertura de danos materiais a terceiros. Para saber como funciona essa cláusula do seguro, clique aqui.

E nos casos de roubo: é perda total?

No caso de roubo em que o veículo não é recuperado, não é considerado perda total, mas o segurado recebe indenização integral, assim como quando há perda total.

Faça já cotação do seu seguro de automóvel: clique abaixo ou nos contate!

fazer-pedido-de-cotação-de-seguro

atendimento@muquiranaseguros.com.br

(19) 3304 9920

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP e com MBA Executivo em Trends Innovation na Inova Business School. É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, um projeto inovador focado no atendimento humanizado por meio da internet. Também desenvolve o canal Amo Meu Amigão, com foco em seguro saúde para cães e gatos. Atua como Gestora na DM4 Corretora de Seguros e dirige a Comissão de T.I. do Grupo Exalt, maior grupo de corretores de Campinas e Região.
Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.

582 Responses to O que é perda total do veículo e quando é considerado PT?

  1. hanrieth diz:

    Meu carro foi dado PT na rodovia federal. Sendo que ele foi todo recuperado pago o ipva vistoriado. Quando fui pegar o documento me falaram que ele estava dado PT.
    Ele nao tem seguro. Entao como reverter a situaçao de PT.
    Ja que ate vistoriado ja foi?

    • Jessica diz:

      Hanrieth, bom dia!

      Sobre dúvidas relacionadas a regularização de documentação do veículo, recomendamos consultar um despachante de veículos. Ele poderá lhe instruir melhor sobre esses pontos :)

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/-yLWbYM48JM

      Atenciosamente,

  2. Joao Lima diz:

    No caso meu carro teu “PT” mais ele é financiado e nao terminei de pagar, oque vai acontecer eles vão me pagar o valor do carro e eu vou continuar pagando as pretaçoes do carro que não vou ter?

  3. Orestes diz:

    Olá Jéssica, bom dia!

    Bateram em meu carro e devido a idade do carro e a ausência de peças na autorizada o seguro do responsável pelo acidente não quer se responsabilizar pelo conserto. Alegam que não trabalham com peças de “outra origem” e ainda querem tentar um acordo pagando um valor que vai abaixo da mão-de-obra do único orçamento que eu mesmo busquei em oficinas. Outras oficinas nem se deram ao trabalho de fazer um orçamento. Como proceder, isso também pode ser considerado perda total?

    Grato pela atenção!

    • Jessica diz:

      Orestes, boa noite!

      Quando não há peças novas e originais no mercado devido ao ano do veículo, as seguradoras costumam propor dois caminhos: 1) Pagar parte do conserto, deixando a cargo e responsabilidade do proprietário do veículo providenciar as peças e o serviço; 2) ou dar perda total mediante pagamento de indenização integral do veículo.

      Caso a proposta da seguradora no caminho (1) não lhe atenda e ainda assim o senhor deseja ficar com o carro, recomendamos fazer uma contra-proposta à seguradora.
      Por outro lado, se o senhor não faz questão de ficar com o veículo, recomendamos fazer uma contra-proposta pelo caminho (2) negociando valor de indenização integral com a seguradora a partir do valor médio de seu veículo levantando 03 orçamentos de carros equivalentes em sua região.

      Não havendo acordo em nenhuma dessas vias, recomendamos consultar um advogado.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=RDKFijrAnx4

      Atenciosamente,

  4. Rodrigo Diego Schols diz:

    Bateram no meu carro, eu estava certo e o outro veiculo ultrapassou o sinal vermelho e assim colidindo na lateral do meu carro em cima do eixo traseiro, amassou a porta traseira a parte de baixo da porta, e o carro começou a andar torto.

    Fizeram o orçamento que eu não tenho acesso e me falaram que deu perda total e querem pagar R$13.000,00 no meu veiculo se eu aceitar passar o veiculo para eles, porém meu carro é completo e a tabela fipe taxa os carros com o preço do básico, com R$13.000,00 eu não consigo um carro igual o meu e nem com R$15.000,00 eu consigo, pelo simples fato que faz menos de 2 meses que eu fiz a suspensão e freio, o que me custou mais de R$2.000,00, sem falar da reforma no carro do parachoque, cristalização e polimento.

    A outra parte que bateu no meu carro mesmo estando errado se livra de tudo e eu que fui prejudicado estou com o perigo de ficar sem carro e somente receber essa quantia que não me dará um carro identifico ao meu em especificações e qualidade, a faltou eu comentar que quando eu comprei o carro gastei R$1.200,00 para fazer revisão e deixar a mecânica em dia, se eu for pegar outro carro ele também terá que passar pelo mesmo procedimento, tenho todas as notas das oficinas guardadas.

    A duvida é, o que eu posso fazer para não sair no prejuízo ?

    • Jessica diz:

      Rodrigo, boa tarde!

      A seguradora do causador irá indenizar o valor médio de mercado, propondo um valor pesquisado em sua região ou dado pela Tabela FIPE. Caso não concorde com estes valores, recomendamos fazer uma contra-proposta. Não sendo possível chegar a um senso comum, recomendamos levar as Pequenas Causas ou consultar um advogado.

      Pela nossa experiência, as seguradoras não costumam indenizar valores referentes a manutenção prévia do veículo sinistrado, constituindo-se risco excluído. Um advogado poderá lhe instruir se existe jurisprudência para cobrar judicialmente este tipo de prejuízo junto a indenização integral pela perda do carro.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/wxfOmzcBn-g

      Atenciosamente,

  5. Laryssa Tavares Rodriguez diz:

    Tenho um carro que sofreu ia colisão e o valor dos reparos ultrapassam o valor do carro, ao que a seguradora não quer dar perca total, quer fazer o reparo da peça, porem a montadora fala que a peça deve ser trocada, e se eu aceitar reparar a peça perco a garantia. O que fazer?

    • Jessica diz:

      Laryssa, bom dia!

      Desconhecemos casos em que os custos de reparação ultrapassam o valor do carro e a seguradora não dá perda total. Esse tipo de situação desrespeita as determinações da Susep, as quais prevêem um critério de danos de mínimo de 75% para ser considerado PT.

      Recomendamos verificar se sua seguradora é regulamentada pela Susep. Neste vídeo ensinamos como consultar: https://youtu.be/1wqFTw0R1xQ

      Se não for uma seguradora regular, por exemplo cooperativa ou associação, recomendamos fazer uma denúncia na Susep e procurar um advogado.

      Se tratar-se de seguradora regular, recomendamos solicitar ajuda de seu corretor de seguros para contatar a seguradora e argumentar pela perda total uma vez que os custos ultrapassaram o valor do carro. Se necessário recomendamos abrir uma reclamação no SAC e na Ouvidoria da seguradora.

      Se não houver ocorrido perda total e tiver ocorrido algum equívoco sobre o valor do conserto, sendo na realidade perda parcial com possibilidade de conserto, recomendamos pedir ajuda de seu corretor para negociar com a seguradora pela troca das peças para não ocorrer perda da garantia.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/tBvlFDUco7A

      Atenciosamente,

  6. BRUNA diz:

    Meu carro deu PT na colisão, no caso, sou terceiro. A FIPE do meu carro está bem abaixo do valor de venda no mercado pq apesar de ser 2012, ele estava com apenas 32.000 km rodados. Isso é levado em consideração.

    • Jessica diz:

      Bruna, bom dia!

      Como a senhora está entrando como terceiro a seguradora poderá propor de usar a tabela fipe como referência ou então fazer um levantamento do valor médio de mercado em sua região. Caso a senhora não esteja de acordo com o valor proposto, recomendamos fazer uma contra-proposta a partir de 03 orçamentos de veículos semelhantes ao seu (inclusive em termos de quilometragem rodada). Deverá ser buscado um acordo entre as partes e, não sendo possível chegar a um senso comum, recomendamos consultar um advogado.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/tBvlFDUco7A

      Atenciosamente,

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: procure ser breve, pois são muitas dúvidas todos os dias! Todas dúvidas são respondidas. :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *