Seguro sempre usa peças originais?

seguro de carro sempre usa peças originaisSaiba se o seguro de automóvel é ou não obrigado a sempre usar peças originais no conserto de veículos!

O seguro de automóvel é extremamente importante para a segurança e proteção de nosso veículo. Nas situações de colisão ou outros tipos de acidente que causam dano ao carro, o seguro pode ser de grande ajuda para custear parte do conserto. Nessas horas, muitas pessoas tem dúvida se o seguro sempre usa peças originais de fábrica.

Neste post você descobre a resposta e confere algumas dicas importantes sobre o assunto. Confira e escreva suas dúvidas nos cometários. Peça também sua cotação!

Atualmente, seguro é obrigado a usar peças novas e originais

Nos casos em que o seguro é acionado para consertar um veículo, a seguradora é obrigada a usar somente peças novas e originais de fábrica no serviço de conserto.   Essa é uma norma determinada nas Condições Gerais do Seguro em acordo com o Código de Defesa do Consumidor, e por isso a seguradora não tem autonomia para liberar um conserto com peças não originais ou usadas.

Nos casos de carros mais antigos, quando não há peças novas e originais disponíveis, acaba ocorrendo perda total do veículo por falta de peças. Se o segurado tem interesse em fazer o conserto com peças usadas ou não originais, é necessário negociar com a seguradora para ver o que pode ser feito. Nesses casos, quando há aceitação da seguradora no acordo, geralmente é feito um termo de acordo onde o segurado afirma se responsabilizar pela escolha de peças não originais/usadas, e destitui a seguradora da garantia de qualidade que ela é obrigada a dar quando são usadas peças originais.

Cotação Seguro Carro - 2

Futuramente, seguro popular permitirá uso de peças usadas

Essa determinação que obriga a utilização de peças novas e originais é boa e ruim ao mesmo tempo.

  • É boa por garantir que não serão utilizadas peças de procedência duvidosa (muitas vezes provenientes de desmanche ilegais) e por garantir a qualidade e segurança dos serviços de conserto, na medida em que peças originais de fábrica e novas respeitam rígido padrão de qualidade.
  • É ruim porque encarece o custo de reposição de peças no seguro e, com isso, encarece o próprio seguro, tornando seu preço muitas vezes inacessível para proprietários de veículos mais antigos. Também acaba ocorrendo de veículos antigos serem considerados como perda total muito facilmente, na medida em que não há peças originais disponíveis no mercado ou, quando há, são demasiadamente caras.

Pensando nestes aspectos ruins da obrigatoriedade de se utilizar somente peças originais de fábrica e novas nos consertos liberados pelo seguro, está em trâmite uma proposta para a criação do seguro popular – um tipo de seguro de automóvel em que seria permitida a utilização de peças usadas ou recondicionadas, desde que respeitando a Lei do Desmonte, aprovada este ano.

Para saber mais sobre o seguro popular, acesse nossos outros posts:
“Lei do Seguro Popular: o que é e como funciona?”
“História do seguro popular: da primeira tentativa até hoje”

A ideia é que sejam criados seguros com foco na população de renda mais baixa, sem perder em qualidade. O seguro popular permitiria a utilização de peças usadas desde que atendendo o padrão de qualidade e supervisionamento da Lei do Desmonte. Com isso espera-se que o seguro popular seja até 30% mais barato que o seguro tradicional (que continuará sendo ofertado também).

Cotação Seguro Carro

Sobre Jessica

Formada em Ciências Econômicas (UNICAMP), com MBA Executivo em Trends Innovation (Inova Business School), atualmente faz extensão universitária em Direito e Economia (UNICAMP). É desenvolvedora da Muquirana Seguros Online, projeto inovador focado no atendimento humanizado por meio da internet. Atua como Gestora na DM4 Corretora de Seguros, associada do Grupo Exalt, maior grupo de corretores de Campinas e Região.
Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.

66 Responses to Seguro sempre usa peças originais?

  1. Roberto diz:

    Olá Jessica tudo bem? tenho uma dúvida, há 4 anos bati o carro em um cruzamento, eu estava errado, o carro do terceiro deu pt e foi restituído, o meu carro foi para uma oficina indicada pela seguradora e o problema foi resolvido, nessa semana quando fui tentar vender meu carro nenhum comprador aceitou porque a parte estrutural dianteira do meu carro (longarina) estava mal soldada e todos disseram que meu carro sera barrado em qualquer vistoria veicular, finalizando todos querem me pagar um preço super abaixo da tabela!
    Neste caso o que posso fazer ?
    abraço

    • Jessica diz:

      Roberto, boa tarde!

      A garantia do serviço dado pela seguradora e oficina referenciada geralmente é de 12 meses.
      Porém, se é evidente que o defeito é decorrente dos reparos feitos no sinistro ainda que fora desses 12 meses, entendemos ser passível de solicitar a reabertura do sinistro para realização de vistoria de qualidade. Ficando comprovado que o serviço não foi feito com a devida garantia de qualidade e segurança, ele deverá ser refeito para que o veículo seja re-entregue em perfeito estado de uso e conservação. Para tentar este procedimento, verifique qual era sua seguradora e corretor de seguros na época. Peça ajuda a este corretor para reabrir o sinistro e fazer a solicitação de vistoria de qualidade.

      Se não houver solução desta maneira, recomendamos consultar um advogado para buscar uma solução por vias judiciais.

      Quando for fazer seu seguro, peça uma cotação com a gente: http://www.muquiranaseguros.com.br
      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/1idN0PYi0Kk

      Atenciosamente,

  2. Julian diz:

    Boa noite Jéssica, tenho um Corolla 2012 totalmente original e trincou o parabrisa. Tenho seguro total e vidros também. Mas a seguradora se recusa a repor um parabrisa original Toyota e eu quero um original Toyota. Tenho direito disso? Ou eles tem o direito de repor um não original?

    • Jessica diz:

      Julian, boa tarde!

      Desculpe a demora em responder!

      O seguro em princípio cobre vidros originais, porém não com selo de fábrica. Ou seja, são vidros de fabricantes normais, mas sem o selo colocado pela concessionária. Algumas seguradoras como a Tókio Marine oferecem cobertura opcional adicional para que a cobertura de vidros inclua o selo da concessionária, do contrário de fato mantém a regra dos vidros originais mas sem selo.

      Essas informações devem constar nas Condições Gerais (cláusulas contratuais do seguro).

      É possível tentar pleitear o uso do vidro com selo, por exemplo pagando a diferença. Contudo a solicitação ainda estará sujeita à análise da seguradora.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/BuRt_wLuC_g

      Atenciosamente,

  3. Paulo diz:

    Ola bom dia
    Bateram no meu fusca… e nao acha mais pecas originais … a lateral direta destruiu tudo… o seguro quer arrumar mais nao cha mais pecas originais eles tem que me repassar uma quantia em.dinheiro para suprir a falta de pecas ou dar pt no carro? Sou terceiro… obrigado

    • Jessica diz:

      Paulo, bom dia!

      No caso de falta de peças originais é possível 1) negociar um valor para o conserto, no qual o senhor se responsabiliza por providenciar peças recondicionadas ou 2) negociar a perda total com indenização integral por falta de peças originais.
      Recomendamos verificar qual caminho melhor lhe atender e negociar com a seguradora do causador. É importante solicitar ajuda do corretor de seguros responsável pela apólice para ajudar na negociação.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/BuRt_wLuC_g

      Atenciosamente,

  4. Denis Ruan diz:

    Sou terceiro no seguro o proprietário optou pelo seguro até aí tudo bem sendo que minha moto foi danificada uma peças que não é original coloquei na minha moto um Guidão maior, resistente só que no acidente ele quebrou esse guidão é bem mas caro doq o original mas o seguro só quer mim repassa um original mas eu não quero quero a peça que foi danificada eles tem que mim repara a peça danificada ou não só a peça original ?

    • Jessica diz:

      Denis, bom dia!

      Recomendamos solicitar ajuda do corretor de seguros responsável pela apólice do causador para intermediar o processo de sinistro.
      Informe ao corretor que a moto tinha um guidão diferenciado do original e envie cópia da nota fiscal deste guidão para a seguradora. É possível solicitar a indenização do guidão diferenciado mediante apresentação da nota fiscal. Se a seguradora mantiver a recusa mesmo após esse procedimento, recomendamos tentar negociar a diferença diretamente com o causador. Se também não for possível chegar a um senso comum desta maneira, será necessário procurar as Pequenas Causas.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/BuRt_wLuC_g

      Atenciosamente,

  5. Marcelo Castegliani diz:

    Bati com meu carro e amassou o capô, paralama e para choque, o capô e o paralama foi recuperado na massa,e o para choque foi trocado, me informaram que seguradoras não usam massa para recuperar, queria saber se é verdade ou mito?

    • Jessica diz:

      Marcelo, boa tarde!

      Se os danos forem grandes as seguradoras costumam optar pela troca da peça. Nos casos em que é possível recuperar a peça com garantia de qualidade, os procedimentos de recuperação são os normalmente usadas nas oficinas, inclusive com uso de massa para acabamento se necessário. Nas oficinas referenciadas a garantia do serviço será tanto da oficina quanto da seguradora, enquanto que nas oficinas de livre-escolha a garantia é somente da oficina, por isso a importância de escolher uma oficina referenciada ou de sua confiança.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/BuRt_wLuC_g

      Atenciosamente,

  6. Renato diz:

    Oi bom dia,então um ônibus bateu no meu carro, a seguradora do ônibus escolheu a funelaria daí então o funileiro fez o orçamento este orçamento ele ia trocar uma peça é as demais vai restaurar! Ele pode encher de massa algo que estava novo sendo q há peças de reposição ou eles podem optar pelo reparo? E nao confio no funileiro tbm não posso escolher? O nome da seguradora é invest seguradora se eles não estiver cadastrado no susp posso notificar?

    • Jessica diz:

      Renato, bom dia!

      Quando é possível recuperar a peça com garantia de qualidade, a seguradora pode propor o reparo ao invés da troca. Sem a garantia de que ficará em perfeito estado de uso e conservação, deve-se optar pela troca. É necessário haver acordo entre as partes, por isso se o senhor não concorda com o reparo, faça a contra-proposta da troca ou solicite garantia da qualidade.

      O terceiro pode optar por oficina referenciada ou oficina de livre-escolha. Se o senhor deseja fazer o serviço em outro estabelecimento, pode ser feito normalmente. O único ponto é que é necessário haver acordo entre o estabelecimento e seguradora sobre serviços a serem realizados e valor do orçamento.

      Para operar a seguradora deve ter cadastro regular na SUSEP no ramo de atividade para o qual está lhe atendendo. Por isso ao consultar no site da SUSEP, é necessário que conste o nome “[NOME] SEGURADORA”, não podendo ser por exemplo “[NOME] Capitalização”, já que capitalização é outro ramo. Se não tratar-se de seguradora regular, é sim recomendável fazer uma denúncia na SUSEP.
      Como consultar seguradora na SUSEP – passo a passo para fazer a consulta.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/BuRt_wLuC_g

      Atenciosamente,

  7. Juliana Brito diz:

    Bom dia.
    Meu irmão tem seguro pro auto.
    Bateram carro dele.
    Na Oficina indicada por Pro auto não deu Perca total.
    Já na Ford onde meu irmão escbei a Oficina (modelo carro focus 2011) deu Perca total, Mas ele recebe informações q Pro auto não vai aceitar a perca total pq não está de acordo pois a Pro auto arruma o carro c peças usadas e paralelas.
    Isso pode acontecer mesmo?
    E correto eles não aceitar o perca total da ford pq usam peças usadas e paralelas?

    • Jessica diz:

      Juliana, boa tarde!

      Não trabalhamos com empresas de proteção veicular, mas sim somente com seguradoras regulamentadas pela SUSEP.
      Nas seguradoras regulares utiliza-se somente peças novas e originais de fábrica, o que geralmente está previsto em cláusula contratual. Somente quando não há peças novas disponíveis no mercado a seguradora propõe a utilização de peças recondicionadas, contudo é necessário aval do proprietário segurado.

      Recomendamos orientar seu irmão a contra argumentar com a empresa que não aceita utilizar peças recondicionadas se existem peças novas disponíveis. Se não houver acordo, é recomendável buscar os órgãos de defesa do consumidor e também abrir denúncia na SUSEP por não ser seguradora regular.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/U2RKAUAeRbE

      Atenciosamente,

      • Juliana Brito diz:

        Boa tarde.
        Susep no site não encontrei a empresa.
        No caso então não é seguradora regular!?
        O que seria esta proauto?
        Nos casos de seguradoras não regular, o peoroietrio do bem vai ter que aceitar peças usadas?

        Obrigada pela atenção.

        • Jessica diz:

          Juliana, bom dia!

          Pelo que vi no site da Proauto, trata-se de empresa de proteção veicular, e não seguradora regular.
          Sendo realmente este o caso, de fato não terá cadastro na SUSEP pois a empresa opera fora da supervisão da SUSEP.

          Não temos informações sobre as regras de serviços de proteção veicular. Mas pensando em como funcionam as seguradoras regulares, entendemos que se há peças novas e originais disponíveis no mercado, o segurado não tem obrigação de aceitar o uso de peças recondicionadas. O uso desse tipo de peça pode ser feito, desde que com de acordo do segurado, quando não há peças novas e originais disponíveis.

          Se julgar que a empresa está agindo de má fé, recomendamos abrir reclamação nos órgãos de defesa do consumidor e também fazer uma denúncia na SUSEP.

          Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/U2RKAUAeRbE

          Atenciosamente,

  8. Wilson Ivan Ioncik diz:

    Boa tarde.
    Bateram em meu carro, mas a pessoa tinha seguro. meu carro é ano 1996 sendo assim o para-choque traseiro não tem original. Segundo a oficina a qual eles mesmos encaminharam o valor liberado para o conserto é equivalente a peça “paralela”. Sendo assim qual o prazo máximo para a seguradora dar a resolução do problema? Existe algum meio legal para resolver caso não tenha resposta dentro do prazo?
    Desde já agradeço.

    • Jessica diz:

      Wilson, bom dia!

      Quando não há peças novas e originais no mercado devido ao modelo do veículo, há duas alternativas: 1) utilizar peças recondicionadas, desde que com autorização do proprietário do veículo ou 2) dar perda total por falta de peças originais.
      Recomendamos solicitar ajuda do corretor responsável pela apólice do causador para lhe ajudar a conversar com a seguradora e seguir no caminho que o senhor preferir.

      Com relação aos prazos, variam conforme cada seguradora. No geral a análise e liberação após envio do orçamento é feita em 02 ou 03 dias. Contudo, quando entra em negociação como é o seu caso, dependerá do tempo que as partes envolvidas precisarem para chegar a um senso comum.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/U2RKAUAeRbE

      Atenciosamente,

      • Wilson Ivan Ioncik diz:

        Existe algum parâmetro na lei que eu possa demonstrar ao corretor? Pois ele alega que a seguradora não tem essas obrigações.
        Desde já agradeço pela resposta.

        • Jessica diz:

          Wilson, boa tarde!

          Desconheço lei ou norma que determine esses procedimentos. Trata-se de uma negociação na qual cabe o bom senso da seguradora diante da situação.

          A função do seguro é a reposição do bem, dentro das cláusulas contratuais da apólice. Quando a situação foge às garantias ou exclusões do contrato, cabe negociação visando a reposição do bem. Aí que o caminho da utilização de peças usadas (com autorização do proprietário) ou perda total com indenização integral sejam duas maneiras diferentes de suprir isso.

          Recomendamos solicitar ao corretor da apólice para verificar em detalhes as cláusulas contratuais do seu seguro e verificar qual a margem de atuação dentro das cláusulas. Também é importante questionar qual alternativa a seguradora propõe já que não deseja seguir por nenhuma dessas acima. Se não houver alternativa diferente ou o senhor discordar da proposta da seguradora, sem possibilidade de acordo, será necessário procurar instrução nas Pequenas Causas ou de um advogado, alinhado a seu corretor.

          Por questões éticas à atuação do corretor que lhe atende, não podemos adentrar muito mais no assunto, pois o responsável técnico pela apólice é ele e por isso não temos autonomia para opinar muito além disso.

          Atenciosamente,

  9. Paula diz:

    Bati em um carro e ele estava errado, não parou no pare a ele devido, ele tem seguro e vai pagar o conserto do meu. Quero saber se o capo e o para lamas (lataria) também virá peças novas ou eles apenas desamassarao ?

  10. Rafaela diz:

    Bateram no meu carro,e o seguro nao encontrou peça original ,se eu recusar as peças paralelas o que podera ser feito?

    • Jessica diz:

      Rafaela, boa tarde!

      Caso a senhora não concorde em utilizar peças recondicionadas e não haja mais peças originais disponíveis no mercado, recomendamos negociar com a seguradora pela perda total com indenização integral. É importante solicitar ajuda do corretor da apólice nesta negociação, focando no argumento da indisponibilidade de peças novas e originais com garantia.

      Se não houver solução nem pelo caminho do conserto com peças recondicionadas, nem da negociação extrajudicial pela indenização integral, recomendamos solicitar instrução de um advogado para checar o que pode ser feito judicialmente.

      Apoie nosso projeto e se inscreva em nosso canal no Youtube. Assista vídeo aqui: https://youtu.be/U2RKAUAeRbE

      Atenciosamente,

Escreva sua dúvida! Pedimos apenas uma gentileza: procure ser breve, pois são muitas dúvidas todos os dias! :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *